Devido ao muito fraco historial de vitórias que o país possui no seu currículo nas mais diversas áreas, qualquer resultado positivo, por muito conjuntural – e possivelmente irrepetível – que seja, serve para o povo ficar nas nuvens.

De um momento para o outro, o país passou a ser, há uns meses atrás, uma potência do futebol. As declarações posteriores à vitória no europeu da modalidade de há uns meses atrás, proferidas por alguns responsáveis com ar de quem sabe do que fala – segundo as quais a vitória da equipa portuguesa foi tão inesperada como fruto de uma convergência de fatores dificilmente repetível, não interessou a ninguém. O que importa é que somos os melhores – ou mais propriamente a equipa de futebol é a melhor e o resto são cantigas.

Quanto às cantigas, estamos no mesmo: um português com um ar um pouco enfezado mas até simpático ganhou um festival qualquer, que, recorde-se, está para a música como a manteiga de amendoim está para as sanduíches: ninguém com um mínimo de gosto lhe liga nenhuma – apesar de a música vencedora não ser nenhum desastre do género ‘Sobe, sobe, balão sobe’, ‘Playback’, ou ‘Esta balada que te dou’, verdadeiros hinos ao silêncio como uma das belas-artes. Sendo assim, muita gente decidiu criticar com alguma violência a decisão do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, de subtrair a cidade à eventual organização do festival Eurovisão do próximo ano.

Pelos vistos, Rui Moreira não vai em cantigas: o deve e o haver das contas apresentadas pelas cidades que já organizaram o certame é também ele um desastre. São raros, muito raros, os casos em que as cidades organizadoras tiraram algum benefício do festival e é, por isso, do mais elementar bom senso que o presidente do burgo esteja indisponível para patrocinar uma aventura que quase de certeza correria financeiramente muito mal. Para quem, por estes dias, anda a queixar-se de que Rui Moreira só quer é festas e bailaricos, a decisão de ‘passar’ a organização do Eurofestival (ou lá como é que se chama) é a todos os títulos de aplaudir.



Mais notícias