Feliciano Barreiras Duarte reitera que “nada fez de errado” e aguarda investigação da PGR

“Nada fiz de errado no chamado processo de Berkeley; todos os movimentos e ações relacionados com esse caso estão devidamente documentados e são inequívocos quanto à minha inocência", realça o secretário-geral do PSD em comunicado.

Cristina Bernardo

O secretário-geral do PSD, Feliciano Barreiras Duarte, reiterou hoje que “nada fez de errado” e que irá “esperar serenamente” os resultados do inquérito aberto pela Procuradoria-Geral da República ao caso do seu currículo.

“Nada fiz de errado no chamado processo de Berkeley; todos os movimentos e ações relacionados com esse caso estão devidamente documentados e são inequívocos quanto à minha inocência; fui convidado para ‘visiting scholar’ (estatuto que não confere qualquer grau académico) e não me fiz convidado; não tirei qualquer proveito da Universidade de Berkely – nem financeiro, nem académico, nem profissional, nem político”, lê-se num comunicado hoje divulgado por uma agência de comunicação em nome de Feliciano Barreiras Duarte.

“Vou esperar, serenamente e em silêncio absoluto, mas, confesso, magoado, pelos resultados do inquérito da PGR. Sofri muito nos últimos dias, por causa deste vilipêndio; sou filho, irmão, marido e Pai, e todos os meus, incluindo os amigos, sofreram comigo; agradeço ao Presidente do PSD e a toda a sua Direcção, bem como a centenas e centenas de pessoas anónimas, a confiança que me foi reforçada nestes dias, e que muito me honrou e sensibilizou”, diz Barreiras Duarte.

Procuradoria-Geral da República anunciou hoje um inquérito aos factos relacionados com o currículo de Barreiras Duarte, “o que vai ao encontro dos meus mais profundos desejos de ver esta situação cabal e completamente esclarecida”, disse.
“No jornal Observador, ficámos a conhecer uma posição de uma professora da Universidade de Berkeley, dando como verdadeiro um documento que antes tinha garantido que era falso; ou seja, a principal e mais grave acusação de que tenho sido alvo, a de falsificação de documentos, em que alguns acreditaram, cai por terra”, constata.

O vice-presidente de Rui Rio diz que depois de tudo esclarecido, “o que inevitavelmente vai suceder, reservo-me o direito de usar todos os meios legais ao meu alcance para recuperar a minha reputação e ser ressarcido das perdas e danos morais que me causaram e à minha família”.

O semanário Sol noticiou que Feliciano Barreiras Duarte teve de retificar o seu currículo académico para retirar o item que o indicava como professor convidado (visiting scholar) na Universidade de Berkeley, na Califórnia, Estados Unidos.






Mais notícias
PUB
PUB
PUB