‘Fake news’: Facebook decreta ‘guerra’ às notícias falsas no Reino Unido

As notícias falsas tiveram alguma influência nos resultados do referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, dizem analistas. O Facebook não quer que se repita esta influência nas próximas eleições gerais no Reino Unido.

Philippe Wojazer/REUTERS

A gigante tecnológica de Mark Zuckerberg apagou centenas de milhares de contas de utilizadores que espalhavam notícias falsas (fake news) na rede social. Esta campanha contra notícias falsas já começou, propositadamente antes das eleições legislativas britânicas de 8 de junho, como noticia a Lusa.

Analistas do fenómeno político e mediático atribuem às notícias falsas alguma influência nos resultados do referendo britânico sobre a saída da UE (Brexit) e nas eleições presidenciais norte-americanas.

Um dos diretores do Facebook para o Reino Unido, Simon Milner, disse à agência AP que a plataforma quer ir “à raiz do problema” e que está a trabalhar com organizações externas – a Full Fact e a First Draft – para verificar factos e analisar conteúdos relacionados com as legislativas britânicas de 08 de junho.

“O Facebook está a fazer tudo ao seu alcance para lidar com o problema das notícias falsas”, disse Milner.

 

Mais notícias