Estado concedeu 2,4 mil milhões de euros em benefícios fiscais em 2016

Novo Banco, Santander Totta e Caixa Geral de Depósitos lideram na banca. Fundação Benfica, Fundação Belmiro de Azevedo e Fundanção Francisco Manuel dos Santos também pouparam com as isenções.

Cristina Bernardo

O Estado concedeu 2,4 mil milhões de euros em benefícios fiscais a empresas, autarquias e fundações em 2016, revela o “Correio da Manhã” na edição desta quarta-feira, citando dados da Autoridade Tributária e Aduaneira.

Trata-se de um aumento de cerca de 32% comparativamente a 2015, que cobriu dez imposto, como o IRC, imposto de selo, IMT aplicado nas transações ou IMI e abrangeu aproximadamente 35.500 contribuintes (um acréscimo de cerca de sete mil instituições nacionais), explicita o matutino.

O Novo Banco, o Santander Totta e a Caixa Geral de Depósitos lideram nas complacências do Ministério das Finanças ao setor bancário, levando as entidades a poupar mais de 30 milhões de euros. Já a Fundação Benfica (40 mil euros em IRC), a Fundação Belmiro de Azevedo (270 mil euros) e a Fundanção Francisco Manuel dos Santos (1,5 milhões de euros)  também pouparam com as isenções.

Quanto ao Banco de Portugal, viu ‘perdoados’ 9,4 milhões de euros, segundo CM. No entanto, a tabela é encabeçada pela Câmara Municipal de Lisboa (45 milhões de euros), o grupo EDP (38 milhões de euros) e a TAP Air Portugal (22 milhões de euros).





Mais notícias
PUB
PUB
PUB