Escolas japonesas preparam alunos para ataques de mísseis norte-coreanos

No início deste ano, o governo do primeiro-ministro Shinzo Abe instruiu os municípios japoneses a realizar exercícios de evacuação dos espaços, de forma a preparar as crianças para o caso de terem de fugir rapidamente.

Com o aumento dos testes nucleares da Coreia do Norte e sob a ameaça iminente de conflito, o Japão colocou em marcha um programa de preparação para as escolas sobre os procedimentos a seguir no caso de o país vir a ser atingido por um míssil norte-coreano.

Na pequena cidade piscatória de Abu, na província japonesa de Yamaguchi, mais de 100 crianças da escola primária participaram este domingo num simulacro de um ataque com um míssil, que as autoridades acreditam que demoraria 10 minutos a atravessar o mar do Japão e aterrar no país.

As sirenes apanharam desprevenidas crianças, que se encontravam a apanhar flores no jardim e que tiveram de correr para se abrigarem no ginásio da escola. “A sirene tocou de repente e assustou-nos”, conta à agência Reuters, Taison Ito, um aluno de 10 anos, que frequenta o quinto ano.

“Começa a ser uma rotina nas nossas vidas diárias”, afirma Kanako Ono, pai de uma das crianças da escola.

No início deste ano, o governo do primeiro-ministro Shinzo Abe instruiu os municípios japoneses a realizar exercícios de evacuação dos espaços, de forma a preparar as crianças para o caso de terem de fugir rapidamente.

“É difícil dizer quantas pessoas poderiam ser salvas e efeito terá o dispositivo de evacuação. Mas, com a consciencialização levantada e o procedimento básico entendido, a taxa de sobrevivência será definitivamente maior”, afirma o vice-almirante aposentado Yoji Koda.

PUB
PUB
PUB