ERC investiga transmissão de vídeo de “alegado abuso sexual”

Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) abriu processo de investigação ao jornal do grupo Cofina, após o meio de comunicação divulgar vídeo de alegado abuso sexual a uma jovem de 17 anos, dentro de um autocarro, durante a Queima das Fitas do Porto.

O Correio da Manhã, jornal pertencente ao grupo Cofina, está a ser investigado, pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), devido à divulgação do vídeo de “um alegado abuso sexual sobre uma jovem” de 17 anos, dentro de um autocarro, numa das noites da Queima das Fitas, no Porto.

“A Entidade tornará oportunamente pública a decisão que venha a adotar sobre este caso”, informa o regulador numa nota por si publicada.

Contactado pela Lusa, Otávio Ribeiro, diretor do CM, afirmou que o jornal divulgou “um facto relevante e polémico, protegendo a identidade” dos envolvidos e assinalou que “sem notícias, não há reflexão”.

“Limitamo-nos a fazer o nosso trabalho. Trata-se de um facto relevante e polémico. Protegemos a identidade dos agentes, mas fazemos notícia. Sem notícias, não há reflexão”, afirmou.

A exposição do vídeo pelo meio de comunicação gerou revolta e censura nas redes sociais. Entretanto, o caso chegou às mãos da PSP do Porto, que recebeu, de um cidadão, uma denúncia enviada por email. Segundo disse fonte da força de segurança à Lusa, até ao início da tarde, não foi possível encontrar registos de queixas do alegado abuso sexual.

A Lusa contactou a Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP), que já havia garantido o transporte noturno durante a semana da Queima das Fitas do Porto, bem como a presidente da Federação Académica do Porto, mas ambos os contactos foram sem sucesso. Quanto à Polícia Judiciária, não quis prestar quaisquer declarações.



Mais notícias
PUB
PUB
PUB