Empresas de mobiliário não conseguem vender fora de Portugal, revela estudo

“É fundamental criar um cluster do mobiliário e uma marca de referência única a nível internacional”, sugere o autor da análise, Tiago Martins.

As empresas de mobiliário portuguesas estão com dificuldades no processo de internacionalização e quase só vendem no país, de acordo com um estudo desenvolvido no âmbito do Mestrado em Finanças da Universidade Portucalense Infante D. Henrique.

O autor da análise ao setor, Tiago Martins, argumenta que o processo tem obstáculos como a falta de autofinanciamento e a escassez de canais na distribuição internacionais. Para tirar partido da internacionalização e, assim, ajudar à sustentabilidade do setor, as empresas de mobiliário deve unir-se.

“É fundamental criar um cluster do mobiliário e uma marca de referência única a nível internacional, para trazer à indústria e à economia local, regional e nacional”, refere o trabalho desta universidade no Porto.

A investigação, na qual estiveram envolvidas pequenas e médias empresas com produção própria de Paços de Ferreira e à qual apoiaram os dados da Associação Empresarial de Paços de Ferreira, conclui que a aposta nas vendas além-fronteiras pode ser o “acabamento perfeito” para a reinvenção da indústria, ajudar as empresas a ganhar amplitude internacional, aumentar o volume de vendas e “harmonizar” o posicionamento estratégico com sinergias, “levando mais longe as peças de mobiliário português”.




Mais notícias
PUB
PUB
PUB