Empreendedores podem concorrer ao inRes até 4 de maio

Estão abertas as candidaturas para o inRes – Entrepreneurship In Residence, programa de aceleração de negócios para empreendedores portugueses na área das Tecnologias de Informação e Comunicação, promovido pelo Programa Carnegie Mellon Portugal.

A edição 2017 do inRes será apresentada hoje na incubadora da Universidade do Porto, UPTEC e posteriormente noutras cidades do país em datas ainda a anunciar.

O inRes é dirigido a equipas que têm uma ideia de negócio de um produto ou serviço na área das TIC em Portugal, promovendo o seu desenvolvimento, não só em termos de evolução do negócio como da capacitação dos empreendedores, através de sete semanas de imersão nos Estados Unidos da América. Os interessados devem submeter um formulário preenchido, os currículos e duas cartas de pessoas ou empresas que apadrinhem o projeto.

A experiência internacional é ancorada no campus de Pittsburgh da Carnegie Mellon University (CMU) – onde os participantes têm a oportunidade de usufruir das valências do Swartz Center for Entrepreneurship, que dispõe de um fundo de 31 milhões de dólares para promover a aceleração da inovação no mercado global e fomentar um ecossistema empreendedor – e no campus de Silicon Valley.

Este ano, entre os mentores que acompanham as equipas durante a sua experiência no inRes, incluem-se David Mawhinney, diretor-executivo do Swartz Center, e os entrepreneurs-in-residence de CMU Craig Markovitz e Robb Myer, que venderam recente e respetivamente as startups Blue Belt por 275 milhões de dólares e Nowait por 40 milhões de dólares.

Este programa de aceleração de negócios para empreendedores portugueses na área das Tecnologias de Informação e Comunicação, promovido pelo Programa Carnegie Mellon Portugal (CMU Portugal), é financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia e apoiado pelo Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, organizada em parceria com a CMU, a Pittsburgh Regional Alliance e o INESC TEC.

O inRES é passo natural do programa CMU Portugal, que já impulsionou a criação de 11 startups em 10 anos de parceria entre universidades e laboratórios de investigação portugueses, empresas e a CMU, mobilizando um financiamento de capital de risco superior a 67 milhões de dólares.

Empresas nascidas no CMU Portugal:

Dognaedis, Feedzai, Geolink, Mambu, Orange Bird, Prisma, RedLight Software, Sentilant, Streambolico, Veniam e Virtual Traffic Lights. A título de exemplo, a Feedzai, que atua na prevenção de fraude em pagamentos eletrónicos, voltou a ser colocada, na última semana e pelo segundo ano consecutivo, na lista da Tech Tour que destaca as 50 empresas com maior potencial e crescimento na Europa.

 




Mais notícias
PUB
PUB
PUB