Economia chinesa cresce 6,9% e ultrapassa expectativas

O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 6,9% durante o segundo trimestre deste ano, face aos 6,7% do período homólogo de 2016.

Qilai Shen/Bloomberg

A economia da China cresceu 6,9% durante o segundo trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2016.

Desde de 2010 que a economia chinesa encontra-se em constante desenvolvimento. Mas este ano, parece que os valores do Produto Interno Bruto (PIB) superaram as expectativas dos analistas e do próprio governo da China.

Os especialistas esperavam um crescimento de 6,8% do PIB, enquanto as metas do Governo eram de cerca de 6,5%, dado que no ano anterior tinham atingido os 6,7% o valor mais baixo no país desde 1990.

Contrariamente, ao esperado a economia da China cresceu 6,9%.

Para o Gabinete Nacional de Estatísticas (ONE sigla em inglês), de acordo com o jornal Financial Times, o resultado mostra que a economia chinesa está a tornar-se “mais estável, coordenada e sustentável”, mas “ainda existem muitos fatores instáveis ​​e incertos no exterior e contradições estruturais a longo prazo que permanecem proeminentes”.

Razões para o crescimento

Um maior investimento da parte das empresas nacionais, cerca de 12% a mais do que nos primeiros seis meses de 2016 e do setor privado, que cresceu 7,2%, são algumas das principais razões para o crescimento do PIB, mencionadas no comunicado feito pelo Gabinete Nacional de Estatísticas.

As vendas a retalho, ou a comercialização em pequenas quantidades, um dos principais setores de consumo privado, cresceu 10,4% no primeiro semestre do ano, enquanto a produção industrial no mesmo período cresceu 6,9%.

No que diz respeito ao comércio internacional, após a contração de 7,7% no ano passado, as exportações cresceram 8,5% no primeiro semestre de 2017, refletindo a forte procura dos Estados Unidos e da Europa.

De acordo com a ONE, em relação aos investimentos em ativos fixos, estes cresceram nos primeiros seis meses 8,6%, em comparação com o período homólogo de 2016.

Este crescimento estável é considerado essencial para reforçar a posição do presidente chinês, Xi Jinping, na negociação política.