Dormidas em Portugal crescem em janeiro impulsionadas pelos estrangeiros

Dormidas de não residentes apresentaram aumentos expressivos (17,6%) contribuindo para um crescimento significativo do número total de dormidas. Destaque também para as taxas de ocupação-cama e os proveitos totais que apresentaram valores de aceleração em janeiro deste ano, informa o INE.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) revelou esta quarta-feira os últimos dados referentes à atividade turística. Em janeiro de 2017, a hotelaria alojou 984,6 mil hóspedes que proporcionaram 2,4 milhões de dormidas (+14,0% e +12,6%, respetivamente), acelerando face aos resultados de dezembro (+8,1% e +10,6%).

O mercado interno contribuiu com 721,7 mil dormidas (+2,4%), sendo que a região com mais expressão foi  na RA Açores (+10,0%), AM Lisboa (+7,8%) e o Alentejo (+5,2%). Contrariamente, o Norte apresentou um decréscimo de 3,6%, no entanto, manteve-se como a segunda região com maior procura por parte dos residentes (24,7%) depois da AM Lisboa (28,1%).

Já os mercados externos apresentaram um crescimento expressivo, aumentando 17,6% em janeiro, com um total de 1,7 milhões de dormidas, (+14,0% em dezembro e +19,2% em novembro). Destacam-se as regiões do Alentejo (+32,1%), AM Lisboa (+26,2%), Norte (+22,9%) e Centro (+21,3%). A AM Lisboa manteve-se como a região com maior procura por parte dos não residentes (33,6%), seguida pela RA Madeira (25,1%) e Algarve (24,0%).

Hotéis com mais dormidas

As dormidas em hotéis registaram um crescimento de 15,3% , correspondendo a 71,7% do total. Quanto ao número de dormidas em Pousadas, o aumento foi igualmente significativo (+37,1%) face a dezembro (+17,0%).

O número de dormidas aumentou em todas as regiões: destaca-se a Área Metropolitana de Lisboa (+20,8%), Alentejo (+12,3%) e Algarve (+11,6%). O principal destino foi a AM Lisboa (31,9% do total), com aumento de quota (+2,2 pontos percentuais  face a janeiro de 2016), seguindo pelo Algarve (20,1%) e RA Madeira (19,0%), em terceiro lugar.

Os proveitos totais atingiram 123,0 milhões de euros (+18,1%) e os de aposento 84,1 milhões de euros (+17,2%). Destaque para a AM Lisboa (+22,4% nos proveitos totais e +22,9% nos de aposento) e o Algarve (+19,0% e +15,1%).

A estada média (2,43 noites) reduziu-se em 1,2%, apresentando uma variação mais notória nas Regiões Autónomas (-4,8% na RA Açores e -4,4% na RA Madeira). O Algarve (4,26 noites) foi a única região que apresentou crescimento neste indicador (+3,6%).

A taxa líquida de ocupação-cama (28,8%) teve uma variação de +2,7 p.p., acelerando face ao mês anterior (+1,7 p.p. em dezembro). As taxas de ocupação mais elevadas ocorreram na RA Madeira (53,8%) e na AM Lisboa (38,8%). Por outro lado,  o Alentejo (17,0%) e o Centro (17,5%) apresentaram as taxas de ocupação mais baixas.

O rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) foi de 22,1 euros, um aumento de 14,0%, ao de dezembro de 2016 (+10,1%) e os hotéis de cinco estrelas registaram 41,8€ de RevPAR (+8,3%) e as Pousadas 31,3€ (+23,7%). É ainda de destacar o aumento de RevPAR apresentado pelos hotéis de quatro estrelas (+18,1%), o qual atingiu 26,3€ em janeiro.

 



Mais notícias
PUB
PUB
PUB