Dia do Trabalhador: dez ideias para equilibrar vida pessoal e profissional

Grande parte do dia é passada no emprego, mas nem só de trabalho vive o homem. Para comemorar o 1º de maio, o Jornal Económico consultou especialistas para saber como melhorar o equilíbrio entre vida pessoal e laboral. (E concluiu que é possível!)

1. Bom planeamento

Para quem dá valor a ser mais que um profissional, um bom work / life balance é fundamental para se ter outros papéis na vida, explica a manager da empresa de recrutamento Jason Associates, Filipa Leite de Castro. A grande questão está em como conseguir esse equilíbrio num mercado que é cada vez mais competitivo e onde estamos contactáveis a toda a hora. A especialista em procura de talentos destaca que ao “planear o nosso dia e levá-lo com foco e sem dispersão, conseguimos ser mais eficientes e fazer mais com menos tempo”.

2. Maior liberdade no trabalho

Do lado dos empregadores, a manager da Jason Associates, lembra que as empresas que se focam no número de horas que o colaborador está na empresa, vão fomentar uma cultura de menor ownership e accountability. “Pelo contrário, as empresas que conseguem dar liberdade aos colaboradores para gerirem o seu horário, vão fomentar um maior sentido de responsabilidade e maior engagement com a mesma, facilitando a retenção dos seus talentos”, diz.

3. Flexibilização de horários

Vera Gandarez, do Grupo Galileu RH, especializado em recursos humanos, sugere a adoção de horários flexíveis em que o colaborador pode escolher as horas de entrada e saída do seu horário normal de trabalho. “Esta medida não implica uma redução do horário de trabalho do colaborador e deve respeitar determinados limites, estabelecidos pela empresa”, sublinha. “Com esta medida, o colaborador pode conjugar com a sua vida pessoal o melhor horário de trabalho, não prejudicando o mesmo”.

4. Criação de banco de horas

A criação de um banco de horas nas empresas é uma ideia destacada tanto pelo Grupo Galileu RH, como pela empresa de consultoria de pesquisa e gestão, Great Place to Work. O conceito baseia-se na reorganização do tempo consoante as tarefas. A empresa pode aumentar até quatro horas diárias a jornada normal com um limite semanal de sessenta horas. O aumento é depois compensado ou na redução do número de horas equivalente e / ou através de pagamento.

5. Dia da família

A criação de um Dia da Família, em que os filhos dos colaboradores podem visitar a empresa e ter a perceção do trabalho desenvolvido pelos pais é sugerido pelo Grupo Galileu RH. De forma semelhante, Maurício Korbivcher, diretor geral da Great Place to Work, fala de uma “redução de horário em dias especiais (como aniversários), a atribuição de dias de férias extra, a dispensa em pontes ou épocas de festa, como o Natal e a Páscoa são vantagens de trabalhar numa empresa que valorize a dimensão familiar”.

6. Horários ‘kids-friendly’

Não é fácil ser mãe ou pai e os primeiros tempos de adaptação ao novo membro na família (dizem que) são dos mais difíceis. Segundo Korbivcher, as melhores empresas para trabalhar contemplam uma “extensão temporal das licenças de maternidade e paternidade, bem como a celebração dos nascimentos dos bebés com a atribuição de subsídios e presentes para colaboradores com crianças”.

7. Protocolos com empresas

“As empresas podem estabelecer protocolos com diferentes entidades com o objetivo de beneficiar os seus colaboradores e ajudá-los a gerir ou conciliar melhor o seu tempo, nomeadamente protocolos com colégios, ginásios, salões de beleza, lavandarias, empresas de limpeza, entre outros”, explica Vera Gandarez, do Grupo Galileu RH. “Preços reduzidos e uma localização favorável pode ajudar os colaboradores a rentabilizarem melhor o seu tempo”.

8. Alegria no trabalho

Além da possibilidade de os trabalhadores fomentarem as atividades nas horas livres, melhorar o ambiente no próprio local de trabalho também pode ajudar. “Nalguns casos, o convite para a festa de Natal e/ou para piqueniques é extensível aos familiares do colaborador”, refere o diretor geral da Great Place to Work sobre o comportamento das melhoras empresas. “É, ainda, comum a oferta de alguns serviços nas empresas, como manicure, correios, lavandaria, refeições, entre outros”.

9. Subsídio de transportes

O subsídio de transportes, sugestão do Grupo Galileu a ser implementado pelos empregadores, não é exatamente uma forma de equilibrar a balança entre vida pessoal e profissional, mas pode ajudar. Segundo Vera Gandarez, perante a existência de subsídio de transportes, são possíveis deslocações fora do âmbito profissional, a título pessoal, aumentando a felicidade dos trabalhadores.

10. Simplesmente, desligar…

“Acredito que o nosso desenvolvimento não passa apenas pela evolução da carreira, passa também pela riqueza de experiências que conseguimos na vida e no dia-a-dia”, conclui Filipa Leite de Castro, da Jason Associates. “Por outro lado, temos de ter momentos sagrados e obrigar-nos a que estes momentos realmente aconteçam. Estes podem ser de grande envergadura: como fazer uma grande viagem por ano, ou de quotidiano como ir jantar com amigas uma vez por mês, ou chegar a casa no máximo às 19 horas”.

Mais notícias