Depois dos EUA, chega a vez do Reino Unido: Toys ‘R’ Us vai despedir 3 mil trabalhadores

Decisão foi tomada após a impossibilidade em encontrar um comprador antes da data limite. Vão fechar todas as lojas no Reino Unido.

Todas as lojas da Toys ‘R’ Us no Reino Unido vão fechar ao longo das próximas seis semanas, anunciou a loja de brinquedos, numa decisão que vai deixar mais de 3 mil pessoas sem trabalho.

A empresa, que cedeu o seu controlo a um administrador independente após declarar a sua insolvência no final de fevereiro – um procedimento legal válido no Reino Unido- informou os media de que esta decisão foi tomada após a impossibilidade em encontrar um comprador antes da data limite.

A empresa espera encerrar 25 das suas lojas ainda esta semana, pelo que as restantes 75 lojas do Reino Unido vão manter-se abertas para vender o stock com descontos, segundo Simon Thomas, membro da administração.

EUA também em dificuldade

A multinacional norte-americana Toys “R” Us, dona de uma cadeia mundial de lojas de brinquedos, prepara-se para a liquidação se não conseguir acordar a reestruturação da dívida com os credores. A entrada de um investidor na empresa é vista como a última hipótese de sobrevivência.

Em setembro de 2017, a empresa declarou falência e, embora tenha conseguido um crédito de 3,1 mil milhões de dólares para relançar a marca, a fraca campanha em dezembro colocou o grupo no “vermelho” novamente.

A crise no retalho norte-americano não para de se acentuar e a Toys “R” Us, que já chegou a faturar 11 mil milhões de dólares por ano, não consegue escapar ao efeito dominó.

Depois de declarar falência, a empresa esperava conseguir um balão de oxigénio com o empréstimo e, consequentemente, com a renegociação da dívida com os credores, devido ao valor elevadíssimo da mesma. Apesar de que o grande objetivo é o de encontrar um novo novo investidor, capaz de estabilizar as finanças da empresa.

Mas nem uma coisa nem a outra. De acordo com a Bloomberg, a Toys “R” Us já definiu o encerramento de mais de 800 lojas nos Estados Unidos.




Mais notícias
PUB
PUB
PUB