Depois da CNN, o britânico Guardian também vê Lisboa como a cidade ‘cool’

O crítico de arquitetura Rowan Moore compara a capital portuguesa de hoje com a que conheceu há quatro anos e afirma que Lisboa se tornou num centro de inovação.

“A nova capital cool“, escreve sobre Lisboa o crítico de arquitetura, Rowan Moore, no jornal britânico The Guardian. Moore, que esteve em Lisboa pela última vez em 2013, lembra que há quatro anos, a capital portuguesa parecia uma cidade “de joelhos”, afetada pela crise. No entanto, o crítico considera que a cidade é agora um centro de inovação e revitalização urbana, a baixo custo.

“Na minha última visita, para a Trienal de Arquitetura em 2013, um evento cheio de ideias engenhosas low-cost  para reavivar espaços vazios e negócios em dificuldades, Lisboa parecia uma cidade caída de joelhos”, escreveu Rowan Moore. “Agora, de acordo com uma dos organizadoras da Trienal de 2013, Mariana Pestana, há uma melhoria psicológica. As pessoas estão a começar a sonhar de novo, estão a começar a consumir novamente”.

Moore, sublinha, no entanto, as queixas de aumentos dos preços das habitações e a perda de caráter, problemas que considera inerentes ao sucesso urbano. “Lisboa está a tornar-se num exemplo do que se pode chamar o urbanismo Monocle, em homenagem à revista que combina conselhos sobre tendências e lifestyle com comentários políticos e sociais, e que dedicou várias páginas recentemente à capital portuguesa”, refere o crítico, que recorre ao testemunho de portugueses e estrangeiros encantados com Lisboa.

Na semana passada, também a CNN publicou um artigo em que elegia Lisboa como a cidade mais “cool” da Europa. Segundo o canal de televisão norte-americano, há sete razões para isso: uma vida noturna que vai até o sol raiar, a cozinha dos restaurantes modernos, sofisticados e acessíveis ao bolso, a ironia dos lisboetas, as praias e os castelos da região, o design contemporâneo, a arte e ainda as ruas fascinantes.





Mais notícias
PUB
PUB
PUB