‘Coworking’, Incubação e Aceleração

Não existe em Portugal informação e formação técnica adequadas nem estudos que se adaptem ao perfil do empreendedor português e à estratégia nacional.

Os meus avós foram grandes empreendedores (na altura chamavam-se pioneiros ou aventureiros), o meu pai foi um empresário de sucesso tolhido por uma revolução e a minha mãe revelou-se uma ‘fazedora de coisa’ toda a sua vida, pelo que eu não poderia deixar de fazer algo similar na vida: ser independente, livre e empreendedor, como agora se diz.

É provável que venha daqui a admiração que tenho e o empenho com que me dedico a empreender, a estudar e a apoiar todos os fenómenos de empreendedorismo, conduzidos pela paixão de fazer o que queremos e o que acreditamos. Com sucesso ou insucesso, o empreendedor procura um sentido de vida, onde disponha de rendimento (de preferência muito), mas com liberdade total para decidir. Entender a sua necessidade de independência é fator crucial para se poder gerir melhor os espaços onde coabita uma comunidade de pessoas muito diferente, mas onde todas procuram o seu caminho.

Para gerir estas comunidades, não existe em Portugal informação e formação técnica adequadas, estudos que se adaptem ao perfil do empreendedor português e à estratégia nacional. Razão pela qual irei usar este espaço para partilhar informação, apresentar alguns estudos feitos internacionalmente, divulgar cursos e o perfil mais adequado para este tipo de gestores, assim como partilhar ideias próprias sobre espaços de coworking, incubação e aceleração.

Começo hoje por apresentar a diferença entre estes três conceitos, pois a gestão de espaços de cada um destes conceitos é completamente distinta e envolve competências específicas. Definir cada um dos conceitos não é tão fácil como parece. Existem muitas variantes quanto à implementação prática e muitos espaços não são nem uma coisa nem outra mas um misto, reflexo dos saberes de quem gere o espaço.

Definiria coworking como um ‘modelo de trabalho que se baseia na partilha de espaço e recursos’. Tudo o que vai para além disto coloca-nos no campo das variantes e cada um tem um rumo próprio.

Incubação (ou processo de incubação), refere-se, no essencial, a ‘um modelo que tem por objetivo a criação e o desenvolvimento de atividades’, apoiando-as nas primeiras etapas das suas vidas; atividades essas maioritariamente desenvolvidas em coworking, mas não exclusivamente. Dentro da incubação teremos diversos modelos de implementação prática, uns mais alinhados estrategicamente com os incubados, outros menos, uns mais focados em determinadas atividades, outros menos, uns com regras mais apertadas outros nem tanto.

Espaços de Aceleração (ou processo de aceleração) remete para ‘modelos de incubação comprimidos no tempo, que implicam que os resultados sejam apresentados de forma mais célere’, tal como o próprio nome indica, e também encerram inúmeros modelos.

Para terminar, acrescentaria somente que, em Portugal, fruto da juventude destes fenómenos, não existe ainda uma clara distinção na identificação dos espaços com as definições acima abordadas, bem como dentro destes, ao nível do modelo de gestão que adotado, situação que cria muitas dificuldades aos empreendedores quando chega o momento de escolher onde se irão instalar.

A recente certificação de incubadoras, promovida pelo Portugal 2020, e a abertura da call para o Vale Incubação, para além de ter sido feita a correr, na minha opinião, ainda veio criar mais confusão sobre o conceito, pois empurraram muitos espaços a apresentar-se como incubadoras quando, na sua essência, só têm vocação para coworking.

 

Mais notícias
PUB
PUB
PUB