Cova da Moura: reconstituição da IGAI foi feita na rua errada

O Ministério Público confirma que o auto da PSP, "no que respeita ao local e ao modo dos acontecimentos narrados no auto da detenção de Bruno Lopes, é completamente inverosímil" e relata uma série de contradições entre os depoimentos dos polícias e o que foi apurado.

Uma investigação do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) concluiu que a reconstituição da detenção de Bruno Lopes, um dos jovens agredidos violentamente na Cova da Moura em 2015 foi feita na rua errada pela Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI). A IGAI terá dado como certa a versão dos acontecimentos dada pelos agentes da polícia para a reconstituição dos crimes.

Segundo avança o jornal Diário de Notícias, no âmbito do processo a IGAI deslocou-se ao bairro da Cova da Moura, nove meses após os incidentes, para averigurar a acusação e o pedido de defesa dos 18 agentes da PSP implicados no caso. A reconstituição contava com um procurador do Ministério Público e 27 polícias, que “foram expulsos à pedrada” por desconhecidos.

A presença do aparato policial na rua terá causado estranheza entre os jovens agredidos. O Ministério Público vem agora confirmar que o auto da PSP, “no que respeita ao local e ao modo dos acontecimentos narrados no auto da detenção de Bruno Lopes, é completamente inverosímil” e relata uma série de contradições entre os depoimentos dos polícias e o que foi apurado.

O caso remonta a 5 de fevereiro de 2015 quando, na esquadra da PSP de Alfragide, onde aconteceram casos de violência das autoridades contra os seis jovens da Cova da Moura, onde a maior parte da população tem ascendência cabo-verdiana.

Dois anos depois da investigação levada a cabo pela Unidade Nacional de Contraterrorismo (UNCT) da Polícia Judiciária (PJ), o Ministério Público afirma que os jovens foram “humilhados, vítimas de enorme violência física e psicológica por parte de agentes da autoridade dominados por sentimentos de xenofobia, ódio e discriminação racial” face às pisadelas, bofetas e pontapés que levaram.





Mais notícias