Costa sobre Centeno: “Mesmo que venha a ser arguido não sairá do Governo”

O primeiro-ministro António Costa defendeu que Mário Centeno vai continuar no executivo, mesmo que seja constituído arguido.

O primeiro-ministro renovou hoje a confiança no ministro das Finanças e frisou que Mário Centeno “não sairá do Governo em circunstância alguma” relacionada com alegadas investigações sobre benefícios em troca de bilhetes de jogos de futebol.

“O professor Mário Centeno é uma pessoa de enorme dignidade e seriedade que tem prestado serviços de grande relevância para o país em quem mantenho toda a confiança e que em circunstância alguma sairá do Governo”, afirmou António Costa.

O líder do executivo socialista reagia a questões dos jornalistas sobre buscas, na sexta-feira, no Ministério das Finanças supostamente relacionadas, segundo o jornal Correio da Manhã, com idas ao Estádio da Luz de Mário Centeno e alegada intervenção em processos de isenção de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) por parte de um filho do presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou a existência de diligências “para recolha documental”, num inquérito que “não tem arguidos constituídos e está em segredo de justiça”.

“Ninguém está acima da lei e a Justiça fará as investigações que entender e nós daremos toda a colaboração que for devida, mas quero deixar muito claro que quem decide a composição do Governo sou eu e mantenho toda a confiança [em Centeno]”, continuou Costa.

Centeno disposto a deixar o Governo

O ministro das Finanças, Mário Centeno, está disposto a deixar o cargo caso se venha a comprovar o seu envolvimento em crimes de recebimento indevido de vantagem, noticia o jornal “Correio da Manhã”. O governante estará a ser investigado pelas autoridades pela atribuição de isenção de IMI a um prédio da família do presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira.

Segundo o jornal, Mário Centeno já falou com o primeiro-ministro, António Costa, sobre a possibilidade de vir a colocar o seu lugar à disposição caso o Ministério Público o venha a constituir arguido. As buscas da 9ª seção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa ao Ministério das Finanças na passada sexta-feira foram motivadas pela alegada prática do crime de recebimento indevido de vantagem.

O Ministério Público suspeita que Mário Centeno tenha beneficiado o presidente do Benfica com a atribuição de isenção de IMI a um prédio da sua família, uma semana depois de ter pedido para assistir a um jogo na tribunal presidencial. Embora o Governo negue a relação causal, as autoridades estão a averiguar a possibilidade.

Trata-se do mesmo tipo de crime pelo qual foram constituídos arguidos os ex-secretários de Estado dos Assuntos Fiscais (Fernando Rocha Andrade), da Indústria (João Vasconcelos) e da Internacionalização (Jorge Oliveira), por terem aceitado o convite da Galp Energia para assistirem a um jogo da seleção durante o Campeonato Europeu de 2016.

Questionado sobre o caso, o Ministério das Finanças não quis prestar declarações.

Com Lusa






Mais notícias
PUB
PUB
PUB