Costa promete “apurar responsabilidades em função dos factos” ocorridos em Pedrógão Grande

Na abertura do "Debate sobre o Estado da Nação", na Assembleia da República, o primeiro-ministro António Costa sublinhou a necessidade de esclarecer "cabalmente" o que aconteceu na "maior tragédia humana dos últimos anos."

O primeiro-ministro António Costa iniciou o “Debate sobre o Estado da Nação”, há escassos minutos, na Assembleia da República, lamentando “a maior tragédia humana dos últimos anos,” isto é, o incêndio que devastou a zona em torno de Pedrógão Grande e causou 64 mortos e centenas de feridos. “Nunca mais nenhum de nós poderá esquecer aquele dia,” afirmou.

Em resposta à tragédia, Costa diz que as “tarefas imediatas” consistem em “reconstruir o que foi destruído” e também “esclarecer cabalmente o que aconteceu e apurar responsabilidades.” Nesse sentido, o primeiro-ministro promete que o Governo “vai dar toda a colaboração e apoio, tanto ao inquérito-crime aberto pelo Ministério Público, como à comissão técnica independente” que vai avaliar o que aconteceu em Pedrógão Grande.

Além das “tarefas imediatas”, Costa referiu-se ao “desafio estrutural” de “revitalizar o interior e reordenar a floresta” de Portugal. Em relação a esse desafio apelou ao “esforço conjunto para consensualizar esta reforma estrutural.” E advertiu: “Não podemos continuar a lamentar que o grande problema é o abandono das florestas e não aprovar os instrumentos de mobilização das terras ao abandono.”