Conheça os municípios que querem salvar o planeta

Com a entrada em vigor do Acordo de Paris, finalizam-se uma série de estratégias de combate e prevenção às alterações climáticas em 26 municípios portugueses. Portugal e a zona mediterrânica serão as regiões mais afetadas pelo aquecimento global.

O Acordo de Paris entrou esta sexta-feira em vigor, menos de um ano depois de ser aprovado. Em Portugal, 29 municípios do País preparam-se para dar início a um conjunto de estratégias específicas para travar os piores cenários resultantes da mudança do clima.

Este é o primeiro pacto universal sobre as alterações climáticas. Contrariamente ao Protocolo de Quioto que definia uma série de medidas de carácter obrigatório, o Acordo de Paris consiste num misto de objetivos voluntários e vinculativos passíveis de evoluir para compromissos mais ambiciosos e obrigatórios, não contemplando nenhum quadro sancionatório, o que terá contribuindo para a adesão de países como os EUA e a China.

Depois de ter sido assinado por 197 países e ratificado pelo número suficiente de países que representam 55% das emissões mundiais de gases com efeito de estufa, chegou a hora de pôr o documento assinado em prática.

A data prevista para ser posto em vigor era prudentemente 2020, mas a maior visibilidade social e força política conduziram a uma aceleração no processo.

No último século a temperatura já aumentou quase um grau (0,8), sendo que na bacia do Mediterrâneo, onde se situa Portugal, o aumento já chegou à unidade. Face a isso, em vários municípios portugueses está a ser preparado um projeto que vista a prevenção de situações de maior vulnerabilidade às alterações climáticas.

O projeto, com o nome ClimAdaPT.Local, liderado pelo especialista Filipe Duarte Santos, integra um conjunto de estratégias diferentes e adaptadas a cada uma das localidades ligadas à iniciativa.

Em declarações ao Diário de Notícias, o especialista Gil Penha-Lopes, coordenador no terreno do ClimAdaPT.Local, realça que a nível nacional as principais vulnerabilidades são “as taxas de erosão costeira elevadas, redução da precipitação anual no Alentejo e Algarve, que vão ter maior risco de desertificação, fenómenos extremos, com chuvas intensas que causarão mais cheias, e ondas de calor com impactos negativos na saúde”.

O principal objetivo deste Acordo é limitar o aumento da temperatura média do planeta a 2 graus Celsius até ao final do século, uma meta ambiciosa que levará a mudanças significativas no sistema energético, nos transportes, na economia e nos estilos de vida de cada indivíduo.

Francisco Ferreira, presidente da associação ambientalista Zero, explica ao DN que a entrada em vigor do Acordo de Paris “vai obrigar a uma revolução do sistema energético global, atualmente assente na queima de combustíveis fósseis, que dentro de duas a três décadas terá de basear-se fortemente em fontes renováveis”. O especialista sublinha que “essa revolução terá um grande impacto no nosso estilo de vida, na utilização dos recursos e no consumo”.

A lista inclui concelhos de todo o País:

1-Viana do Castelo

2- Montalegre

3-Bragança

4- Braga

5- Guimarães

6- Porto

7- Amarante

8- São João da Pesqueira

9- Tondela

10-Ílhavo

11- Seia

12- Figueira da Foz

13- Leiria

14- Tomar

15- Castelo Branco

16- Castelo de Vide

17- Coruche

18- Torres Vedras

19- Lisboa

 

20-Sintra

21- Cascais

22- Almada

23- Barreiro

24- Ferreira do Alentejo

25- Évora

26- Odemira

27- Loulé

28- Funchal

29- Vila Franca do Campo

 

 



Mais notícias
PUB
PUB
PUB