Confiança aumenta em Portugal, mas atividade económica cai

O indicador de atividade económica nacional aumentava desde agosto do ano passado, mas inverteu a tendência em fevereiro, segundo dados do INE.

Aly Song/Reuters

O indicador de confiança dos consumidores em Portugal, tal como na zona euro, subiu em março, de acordo com os dados divulgados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE). No entanto, o indicador de atividade económica nacional caiu em fevereiro, interrompendo a tendência de aumentos iniciada em agosto.

“Em Portugal, o indicador de clima económico, disponível até março, aumentou. O indicador de atividade económica diminuiu em fevereiro, interrompendo o movimento ascendente observado desde agosto”, refere o relatório do INE. “O indicador quantitativo do consumo privado desacelerou em fevereiro, refletindo um contributo positivo menos expressivo da componente de consumo corrente”.

Segundo os dados da Síntese Económica de Conjuntura, o indicador de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) acelerou impulsionado pela construção e pelos materiais de transporte. No que diz respeito a exportações e importações de bens registaram-se variações homólogas de 13,3% e 14,7% em fevereiro, respetivamente.

“Considerando a atividade económica na perspetiva da produção, refira-se que os índices de volume de negócios da indústria e dos serviços registaram uma desaceleração em fevereiro. Por sua vez, o índice de produção da construção e obras públicas acelerou em fevereiro”, acrescenta.

A taxa de desemprego ficou em 10,0%, em fevereiro, segundo a estimativa provisória, o que compara com 12,2% no período homólogo. A estimativa para a população empregada entre os 15 e os 74 anos apresentou um aumento homólogo de 2,8% em fevereiro. A inflação situou-se em 1,4% em março, menos 0,2 pontos percentuais do que no mês anterior.



Mais notícias