“Como era a Síria antes da guerra?”: Site da ACNUR explica crise dos refugiados

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, em parceria com a Google, criou um site que pretende responder às cinco principais questões que envolvem a crise dos refugiados sírios.

Para melhor entender as problemáticas que envolvem a crise de refugiados da Síria, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), uniu-se à Google para colocar online um site onde são abordadas as cinco principais questões ligadas a esta crise humanitária: “Como era a Síria antes da guerra?”; “O que se está a passar na Síria?”; “O que é um refugiado?”; “Para onde vão os refugiados sírios?”; e “Como posso ajudar os refugiados sírios?”.

Acessível em https://www.searchingforsyria.org/en, este website faz uso de várias tecnologias disponibilizadas pela Google, oferecendo dados estatísticos como os termos mais pesquisados naquele país ou os vídeos mais vistos no YouTube antes da guerra; bem como imagens 360º de Damasco e dos seis locais considerados Património da Humanidade pela UNESCO, atualmente quase todos desaparecidos.

Em guerra há seis anos, 39 dias, 11 horas e 30 minutos (há um contador automático no site), o conflito na Síria já atingiu mais de dois milhões de sírios, contabilizando-se entre os mortos mais de 24 mil crianças. Para melhor compreender a situação, Podem ser vistos vídeos de Aleppo, bem como dados relativos à educação, saúde e agricultura do país, antes e depois do início da guerra que transformou mais de 5 milhões de sírios em refugiados, na sua maioria (3,6 milhões) mulheres e crianças.

O site desmistifica ainda várias teorias erradas acerca dos destinos destes refugiados, apontando que 94% dos refugiados sírios se encontram nos cinco países limítrofes da Síria: Turquia, Líbano, Jordânia, Iraque e Egito. É ainda possível ver um vídeo de Za’atari, um campo de refugiados na Jordânia, onde se encontram atualmente 80 mil sírios. O derradeiro capítulo desta experiência providenciada pelo ACNUR refere como ajudar, através da partilha da mensagem, de doações e do apoio a esta causa.





Mais notícias