Chegou a aplicação para conectar os idosos ao mundo

Em junho chega a XIMI, uma aplicação disponível em todas as plataformas mobile para conectar os idosos à família e aos profissionais de saúde.

Reuters

Chegou a XIMI, que estará disponível em todas as plataformas mobile com o propósito de conectar idosos com a sua família, amigos, profissionais de saúde, sensores e equipamentos médicos. Trata-se de uma aplicação de fácil utilização e perfeitamente adaptada às necessidades e capacidades dos mais séniores, que visa não só combater o isolamento, mas também promover hábitos de vida saudáveis, através do contacto com os utilizadores e da “gamificação”, fazendo uso dos conceitos de realidade aumentada e computação cognitiva.

Com um investimento na ordem dos cem mil euros pelo Grupo Compta, a XIMI utiliza metodologias de jogo, desafiando os seus utilizadores para aventuras relacionadas com hábitos de vida saudáveis. Simultaneamente, conecta-se com outros dispositivos para recolher informações, dados ou sinais biométricos como a pressão arterial ou o peso. Estes dados são depois cruzados com outros detalhes relativos à saúde do utilizador e permitem, através de mecanismos de inteligência artificial, adaptar automaticamente os desafios propostos a cada pessoa. Caso o utilizador o permita, os dados poderão ser partilhados com profissionais de saúde.

Além das referidas funcionalidades, a aplicação é um canal de permanente comunicação entre o idoso e aqueles que lhe são mais próximos (cuidadores informais), os quais, através da aplicação, podem lançar desafios, receber alertas, tomar conhecimento do estado de saúde do utilizador ou, simplesmente, estabelecer um diálogo direto com o mesmo.

Segundo Luís Curvelo, um dos fundadores da aplicação, a XIMI surge no âmbito da plataforma nacional de ideias, Lusideias, uma iniciativa do Grupo Compta que visa apoiar projetos na área das tecnologias móveis. A iniciativa encontra-se aberta aos colaboradores da Compta e a todos os portugueses.
“A ideia surgiu internamente numa equipa que acumula diversas competências na área da saúde e bem-estar. Após a validação do conceito decidiu-se testar na prática a aplicação e nada melhor do que colocar à prova a equipa no Hack for Good 2016 que decorreu na Fundação Calouste Gulbenkian, tendo sido selecionado e premiado”, refere o responsável.

Seguiu-se depois o Web Summit 2016, tendo sido considerados pela organização como Beta. Daqui, surgiu o contacto com a Vertical na Finlândia onde está atualmente a acelerar o projeto. “Na verdade, fomos selecionados entre 260 candidaturas mundiais, das quais foram escolhidas 11. Resultado: a XIMI está naquele que é um dos melhores aceleradores na área da saúde e bem-estar da europa. Trabalhando diretamente com grandes empresas como a Samsung ou a Telia Sonera A isto soma-se outra distinção, ao termos sido distinguidos na Smart City Expo World Congress and Fira de Barcelona entre os três finalistas distinguidos na categoria Sociedade”, salienta.

Fazer 2,5 milhões de pessoas felizes
Luís Curvelo assegura que através desta aplicação pretendem fazer 2,5 milhões de pessoas felizes em cinco anos e em cinco países. “Combater a solidão através da gamificação e inteligência cognitiva. É assim que vamos fazer as pessoas mais felizes, ativas e saudáveis”, garante.

Em junho, vai ser lançada comercialmente a aplicação em Portugal. Paralelamente, na Finlândia, onde também estão e pretendem estabelecer em conjunto com a Vertical as parceiras locais, irão refinar a versão 2 da aplicação e estudar as possibilidades de aqui ter um caso de estudo local. “Temos planos para escalar e abordar mais geografias, e estamos a trabalhar nesse sentido com parceiros, investidores e outros atores que partilhem a nossa visão e vontade de transformar a vida das pessoas”, conclui.

Notícia publicada na edição impressa do Jornal Económico de 7 de abril



Mais notícias
PUB
PUB
PUB