Centeno: “É indispensável à União Monetária ter união bancária e dos mercados de capitais”

O ministro das Finanças participou no último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, onde afirmou que é necessária paciência, mas também ação para reforçar a integração europeia.

Cristina Bernardo

Completar a União Monetária na zona euro é um projeto de longo-prazo, para o qual é necessário paciência, segundo Mário Centeno. No último dia de conferência Economia Viva, na Universidade Nova de Lisboa, o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo sublinhou a importância da união bancária e da integração dos mercados de capitais para o projeto europeu.

“Quando olhamos para a Europa, temos definitivamente de pensar em aprofundar a União Monetária, que é muito importante para prevenir crises futuras e preparar-nos para tratar dessas crises, no futuro”, afirmou o ministro, num debate sobre o crescimento da Europa, com o economista e investigador da Bruegel, André Sapir.

“Para completar a União Monetária, é indispensável haver uma união bancária e dos mercados de capitais”, continuou, lembrando que a crise ensinou a Portugal que é vulnerável no que diz respeito ao acesso aos mercados de dívida. Na altura, um dos mais avanços ao nível da integração europeia – a integração financeira – ficou fragmentada, segundo Centeno.

“Não cometamos erros: a união bancária é um grande projeto e temos de ser pacientes ao implementá-lo”, disse o ministro. Defendeu que “muito já foi feito”, referindo-se ao papel do Banco Central Europeu (BCE) na supervisão dos bancos e ao Mecanismo Europeu de Supervisão. “Mas não é suficiente. E é neste ponto que nos encontramos”.

Segundo Mário Centeno, os mais importantes pontos em falta para avançar a integração europeia a nível monetário, passam pelo backspot para o Mecanismo Europeu de Resolução bem como o Esquema de Segurança de Depósitos, assuntos sobre os quais há discussões em aberto há vários meses. “Todos compreendemos que demora tempo, mas temos de começar já”, acrescentou.






Mais notícias
PUB
PUB
PUB