CDS-PP critica “discurso do país das maravilhas” do Governo

"Porque é que não levam a votos os documentos? Têm medo? De forma clara, se é assim tão bom leve a votos," desafiou Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS-PP, referindo-se ao Programa de Estabilidade e ao Programa Nacional de Reformas.

O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, criticou o “discurso do país das maravilhas” do Governo (representado pelo ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, esta tarde, na reunião plenária da Assembleia da República em que se debatem o Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas), alertando para uma série de omissões nesse cenário otimista: o abandono escolar precoce, a dívida crescente e o investimento que “se cresce, cresce para baixo.”

Quanto aos programas em causa, Magalhães lançou um desafio: “Porque é que não levam a votos os documentos? Têm medo? De forma clara, se é assim tão bom leve a votos.” No entanto, o ministro Pedro Marques não respondeu. Mais tarde, coube a Pedro Mota Soares, ex-ministro da Segurança Social e atual deputado do CDS-PP, apresentar dois projetos de resolução sobre os referidos programas do Governo.

Mota Soares alertou para a contradição de o Programa Nacional de Reformas ser “cor-de-rosa fluorescente face a todas as maravilhas que o Governo vem aqui anunciar, mas que não tem coragem de levar a votos, porque nem sequer sabe se tem o apoio dos partidos que supostamente o apoiam.”

Mais notícias
PUB
PUB
PUB