Cascais em rota de colisão com Iberdrola rescinde contrato de 6,2 milhões de euros

Em causa está o corte de eletricidade em escola do concelho afetando milhares de alunos. O vice-presidente da câmara explica que a empresa espanhola enviou faturas para uma morada errada e depois efetuou o corte.

A Câmara de Cascais vai avançar para a denuncia do contrato de fornecimento de energia com a Iberdrola, depois da ‘utility’ espanhola ter avançando para o corte de energia em escola do concelho, afirmou o vice-presidente da autarquia ao Jornal Económico.

Em causa um erro na faturação dos meses de janeiro e fevereiro, cuja nota de pagamento foi enviada para uma morada ao cuidado da Câmara Municipal de Cascais, em Barcelos.

Ontem, às primeiras horas da manhã, a Escola Secundária de Cascais foi surpreendida pela falta de eletricidade. As aulas decorreram dentro da normalidade possível durante o dia. Já as aulas do regime noturno tiveram de ser canceladas.

Surpreendida pela alteração de fornecimento de energia, e tendo nas suas bases de dados todas as faturas pagas, a Câmara de Cascais fez três exigências à Iberdrola. “Primeiro, exigimos a imediata reposição do fornecimento de energia. Segundo, exigimos um pedido de desculpa à escola e aos alunos. Terceiro, exigimos um pedido de desculpas à CMC, que tem sido um exemplo de competência na gestão dos processos de descentralização. Até hoje, mais de 24 horas depois, nenhuma das três exigências tinha sido correspondida”, salienta o vice-presidente da Câmara, Miguel Pinto Luz, para quem não sobra outra saída. “Já avisamos a Iberdrola que queremos denunciar o contrato. É uma questão de interesse público que a companhia não quis ou não soube respeitar.”

“A empresa cortou a luz sem justificação. Nós cortamos o contrato com razão”, atira Miguel Pinto Luz.

A Câmara de Cascais já está a trabalhar com o segundo classificado do concurso público ganho pela Iberdrola, no valor de 6,2 milhões de euros, para retomar a normalidade no fornecimento de energia nas escolas do concelho.

O Jornal Económico contactou a Iberdrola e recebeu da empresa a seguinte resposta: “Todo e qualquer esclarecimento será prestado e tratado diretamente entre a Iberdrola e o cliente mencionado ao abrigo da relação contratual existente.”

Mais notícias