Casas em Lisboa estão a ser vendidas até 35% acima da avaliação bancária

Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que os preços dispararam, em média, 12,2% no primeiro trimestre deste ano em comparação com os preços praticados no ano passado.

A associação de defesa dos direitos do consumidor (Deco) alerta que os preços das casas em 18 municípios de Lisboa estão acima do valor médio de avaliação bancária. Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que os preços dispararam, em média, 12,2% no primeiro trimestre deste ano em comparação com os preços praticados no ano passado.

Uma investigação da Proteste Investe concluiu que o preço médio dos T2 anunciados online está 35% acima do valor médio de avaliação bancária. A sobrevalorização de preços verificou-se também no caso dos T3, que registaram um disparo de 30%. Aliada a esta tendência está a subida do número de pedidos de financiamento ao setor bancário na hora de comprar casa.

Segundo a Proteste Investe, a avaliação predial do imóvel deveria servir de indicador para o preço de venda, no entanto, não é essa a situação que se tem vindo a verificar.

“Quando o Código do Imposto Municipal sobre Imóveis entrou em vigor, esperava-se que a avaliação dos imóveis para efeitos tributários se aproximasse entre 80 a 90% do valor do mercado. No entanto, o que se paga por um imóvel é sempre mais do que o valor do registo predial ou da própria avaliação feita pelos avaliadores certificados”, explica a Proteste Investe.

Os dados do gabinete de estatística da União Europeia (UE), Eurostat, mostram que Portugal teve a quarta maior subida dos preços das casas no espaço de um ano, apenas superado pela Hungria (11,6%), Letónia (10,6%) e na Bulgária (8,8%). As casas ficaram 7,6% mais caras entre 2016 e 2017. Em termos médios, o preço das habitações aumentou 3,5% na zona euro e 4,3% na UE.




Mais notícias
PUB
PUB
PUB