Carris investe 150 milhões em novos autocarros

Até 2021, a empresa agora gerida pela Câmara Municipal de Lisboa prevê comprar 430 novos autocarros e 30 novos elétricos, para renovar a frota.

A Carris vai investir cerca de 150 milhões de euros na compra de autocarros e de elétricos até 2021. Segundo informações recolhidas pelo Jornal Económico junto da administração da transportadora de passageiros da capital. Ontem, foram assinados dois contratos, para a compra de 165 autocarros novos.

O primeiro contrato, no valor de 14 milhões de euros, respeita à aquisição de 40 autocarros articulados a gás natural comprimido (GNC), foi celebrado entre a Carris e a Evobus (Grupo Salvador Caetano)/Mercedes-Daimler. O segundo contrato é relativo à compra de 125 autocarros standard, igualmente movidos a GNC, e foi celebrado com a construtora MAN por um valor global de 28 milhões de euros.

“Os autocarros do primeiro contrato serão entregues nos meses de novembro e dezembro de 2018. A previsão de entrega dos autocarros do segundo contrato é de 45 autocarros no terceiro e quarto trimestres de 2018 e dos restantes 80 no primeiro e segundo trimestres de 2019”, revela a referida fonte oficial da Carris.

Estes dois contratos representam, assim, um investimento global de 42 milhões de euros. “As fontes de financiamento serão os fundos comunitários, através do PO SEUR [Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos] com o restante a ser assegurado por fundos próprios da empresa. O investimento será financiado em 31% por fundos comunitários e o restante pela Carris”, esclarece a mesma fonte da transportadora de passageiros, sem especificar em que medida o montante a assegurar pela Carris – cerca de 29 milhões de euros – será conseguida através do recurso a empréstimos à banca privada.

Mas o programa de renovação da frota da Carris não se fica por aqui. Ainda em 2018, está prevista a compra de mais 42 autocarros, enquanto para o próximo ano estão previstos mais 123. Para 2020 e 2021, a carris projecta adquirir mais 100 autocarros, provavelmente elétricos. O investimento previsto nestas diversas tranches é de 48 milhões de euros, não sendo publicamente conhecida a respetiva forma de financiamento. Está também prevista pela Carris a compra de 30 elétricos, 10 em 2020 e mais 20 em 2021. O investimento previsto nos novos elétricos é de 58 milhões de euros, perfazendo um esforço global de 148 milhões de euros para um total de 430 autocarros e 30 elétricos.
O contrato ontem assinado pela Carris com a Evobus/MAN, referente à aquisição de 125 autocarros standard, têm “uma fortíssima presença da indústria nacional”, conforme sublinhou ontem na cerimónia de assinatura dos referidos contratos, Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, que desde há um ano assumiu a gestão da Carris.

“Este foi um ano especial. Foi um ano de passagem da empresa para a esfera municipal. Foi um ano marcante para a Carris e para os seus colaboradores e para os utilizadores dos seus serviços”, defendeu ontem Tiago Farias nesta cerimónia. O presidente da Carris sublinhou a importância de “devolver à cidade o que deve ser gerido pelos habitantes e residentes da cidade” e assumiu que esta decisão “foi o início da inversão do declínio da oferta, do declínio da procura, do aumento tarifário”.

Hoje, vivemos a reversão de todos esses números. Estamos numa fase de retoma”, garantiu Tiago Farias.
Este gestor relembrou que, “nos últimos seis anos, a Carris perdeu mais de 110 autocarros”.




Mais notícias