Bolsa portuguesa fecha dia de Carnaval em baixa ligeira

O principal índice da bolsa portuguesa caiu 0,15%, penalizado pela desvalorização das papeleiras e do retalho e seguindo a tendência europeia.

REUTERS/Benoit Tessier

A bolsa portuguesa fechou a sessão desta terça feira de Carnaval em baixa ligeira, com o PSI 20 a cair 0,15%, para 5.365,45 pontos, penalizado pela desvalorização das papeleiras e com CTT e Pharol a destacarem-se pela negativa.

O principal índice da bolsa portuguesa seguiu a tendência das principais praças europeias, que encerraram o dia a descer, face ao encerramento da sessão de segunda feira.

Pedro Oliveira, trader da GoBulling, refere que esta sessão foi marcada, em primeiro lugar, pela liquidez muito reduzida, traduzindo o facto de ser feriado bancário em Lisboa.

Destaca, pela positiva, a evolução da Jerónimo Martins, que ganhou 1,26%, para 17,275 euros. “É um título que funciona quase como um refúgio e se destaca nestas alturas de descida”, refere.

Pela positiva atenção também para a EDP Renováveis, que se valorizou 2,08%, para 7,11 euros, e para a Corticeira Amorim, que ganhou 1,93%, para 10,04 euros.

Pela negativa, o destaque pertence aos CTT, que perderam 2,75%, para 3,258 euros, e para a Pharol, que caiu 2,58%, para 22,7 cêntimos de euro.

O BCP deslizou 0,51%, para 29,48 cêntimos.

A quebra do BCP, e da banca cotada em Lisboa, no geral, seguiu uma tendência europeia.

Pedro Oliveira aponta para Espanha, onde o Ibex 35 perdeu 1,23%, puxado pela quebra da banca, com o Caixabank a perder 2,33%, o Santander 1,88% e os restantes a caírem, igualmente, mais de 1%.

Em Itália, o mesmo, com o MIB a cair 1,35%, com a banca a liderar as perdas, com quebras significativas: a Banca Generali afundou 4,31%, a Unicredit 3,39% e o banco BPM 3,24%, sendo as mais profundas descidas do índice. Aliás, entre os 40 títulos do MIB, apenas dois subiram.

No resto da Europa, descidas, mas menos pronunciadas: o DAX perdeu 0,7%, o Eurostoxx 50 desceu 0,72%, o CAC 40 deslizou 0,6% e o Footsie ligeiros 0,13%.




Mais notícias