BES: Suíça congela 150 milhões de euros de pessoas suspeitas de lavagem de dinheiro

A Suíça bloqueou 160 milhões de francos suíços (cerca de 150 milhões de euros) de pessoas suspeitas de lavagem de dinheiro, no contexto processo de desmantelamento do Banco Espírito Santo (BES), confirmou o Ministério Público suíço.

O ministério Público da Confederação Suíça (MPCS) congelou mais de 160 milhões de francos, provenientes de Angola, por ligação ao desmantelamento do banco Banco Espírito Santo, avançam os jornais suíços Le Matin Dimanche e o SonntagsZeitung.

O MPCS confirmou o bloqueio do dinheiro no contexto de investigação policial. Suspeita-se que o ex-diretor da subsidiária angolana do Banco Espírito Santo, Álvaro Sobrinho tenha feito branqueamento de capitais.

“Desde a altura em que [Álvaro Sobrinho] dirigiu o Banco Espirito Santo Angola, o estabelecimento concedeu empréstimos que nunca foram reembolsados. O próprio diretor e os membros da sua família beneficiaram de 500 milhões de dólares”, citam os jornais.

A comunicação social suíça publicou hoje informações a indicar que as autoridades seguem pistas relacionadas com o ex-diretor da filial do BES em Angola, de quem têm indícios de lavagem de dinheiro e de outras situações, como a aprovação de créditos a entidades insolventes, escreve a Lusa.

Em setembro de 2014 realizaram-se vários procedimentos na Suíça e em maio do ano seguinte foi formada uma equipa de investigadores, mas o Ministério Público salientou que ainda não pode comentar sobre o resultado do trabalho realizado.

 

 



Mais notícias