InícioNotícia escrita porVítor Norinha

vnorinha@jornaleconomico.pt

No 'inner circle' do poder está tudo feliz. O PR é amado; Costa tem ministros irrelevantes mas é importante que não falem; e dentro da geringonça a felicidade é também elevada.

Porque é que os privados não adotam procedimentos de simplificação? Porque é que o Simplex não chega à banca? Os reguladores tornaram a relação com empresas e família num quebra-cabeças de papelada.

O que é percetível é que Ronaldo o que quer é jogar à bola e não ter de tratar da contabilidade e da documentação jurídica dos contratos.

A banca portuguesa irá preparar um 3º trimestre muito bom e um 4º trimestre ainda melhor. E os acionistas dos “grandes” bancos poderão vir a entrar num 'El Dorado'.

Discutir a inclusão de minorias é um tema central que envolve um consenso civilizacional e, nesse aspeto, é necessário estar acima daquilo que é “a voz corrente". Há o risco de descermos ao nível do debate futebolístico.

Para o comando da Proteção Civil poderá ser nomeado um superintende chefe da PSP. Conclusão: antes que caia a ministra, é melhor que caia a Proteção Civil.

Vivemos num ambiente libertário onde perguntamos o que é isso da estatização e onde as Forças Armadas são um corpo estranho.

Na banca, o investimento chinês é fator de estabilidade, mas quando se questiona as opções estratégicas por parte das autoridades chinesas, o mesmo investimento passa a ser fator de instabilidade.