InícioNotícia escrita porRicardo Leite Pinto, Professor Universitário

A entrevista devia ser lida por todos os portugueses. E dessa leitura deveria sair um clamor de tal forma audível que não pudesse deixar de incomodar os ouvidos dos atuais governantes.

A greve geral da Autoeuropa é essencialmente política e obedece à estratégia do PCP no contexto da “geringonça” que nos vai desgovernando.

Sem informação livre e sem verdadeira liberdade opinativa o estatuto dos cidadãos numa democracia fica em crise. E quem não sabe não pode escolher bem.

Passados quase dois meses das tragédias de Pedrógão e Tancos, o que é que fazem os senhores ministros da Administração Interna e da Defesa Nacional nos seus lugares?

Acreditava eu que para órgãos de Estado com funções de controlo da informação criminal só alguém com uma imaculada folha de serviços pudesse ser indicado…

Os mais desconfiados dirão que Macron não tem experiência política e as suas ideias são confusas e perigosas. Confusas, porque não são de direita nem de esquerda, e perigosas porque minam o terreno antes estável do sistema partidário gaulês.

O Presidente não é um corta-fitas, não é uma figura simbólica, tem importantíssimos poderes e deve exercê-los em bom critério com total liberdade.

Cavaco Silva parece acreditar na “experiência” dos políticos como a virtude primeira de quem exerce cargos públicos.