InícioNotícia escrita porMiguel Pinto-Correia, Economista

Como é que um grupo tão opaco pode decidir sobre o futuro das relações fiscais entre a UE e mais de 92 jurisdições em todo mundo?

A maioria das jurisdições fiscalmente eficientes e mais procuradas pelos grandes investidores internacionais posicionam-se não como “paraísos fiscais”, mas como criadoras de benefícios fiscais para governos globais.

O CRS terá um impacto no estatuto de residência fiscal de milhares de emigrantes portugueses, os quais se arriscam a ver os seus rendimentos tributados em Portugal e no seu país de residência.

O mar é vital para a economia do pós-Brexit, uma vez que a quase totalidade das trocas comerciais que ocorrem, e ocorrerão, entre o Reino Unido e a UE serão feitas por via marítima.