InícioNotícia escrita porMiguel Moreira da Silva, Engenheiro e Prof. Convidado, U. Lisboa

Num ano de eleições autárquicas importa pensar na Economia Azul como parte da agenda municipal, atendendo ao seu potencial socioeconómico.

A força centrípeta de Lisboa e Porto está a fragilizar o país, tornando-o menos resiliente a fenómenos naturais extremos como as cheias, as secas prolongadas e os incêndios.

A administração Trump representa o “negativo” dos ideais fundacionais dos EUA. Como contraponto, a China está a acompanhar a UE na liderança da transição energética.

A mobilidade urbana, atualmente, não se resume à mera função de transporte de pessoas.