InícioNotícia escrita porMário Malhão

mmalhao@jornaleconomico.pt

No último quarto de século, as trocas comerciais dos Estados Unidos com o resto do mundo quase quadriplicaram, reforçando o papel da maior potência do mundo na economia cada vez mais globalizada.

Portugal está entre os dez países da OCDE onde se trabalha mais horas por ano e é o quarto da União Europeia, ultrapassado apelas pela Grécia, Polónia e Letónia. No topo da lista da OCDE está o México, a Costa Rica e a Coreia do Sul, países onde se trabalham mais de 2 mil horas por ano. Ao contrário, a Alemanha e a Holanda ocupam os últimos lugares.

Veja também se consegue identificar quando foi o período em que este índice esteve mais alto.

O estudo ‘When will the Penny Drop’: Money, financial literacy and risk in the digital age mostra baixos níveis de literacia financeira na Europa.

Tem 49 anos, mais de 500 calorias e protagonizou o documentário “Super Size Me”. Chama-se Big Mac e é o ‘best-seller’ da McDonald’s. O clássico é ainda utilizado como indicador económico.

Num ambiente digital em rápida mudança, os profissionais altamente qualificados e os mais jovens são os mais propensos a tomarem o futuro nas mãos, ora tornando-se trabalhadores por conta própria, ora optando pela atividade de "freelancer".

O fecho de contas de 2016 cujos prejuízos justificarão o aumento de capital de 2,7 mil milhões de euros. A redução de quadros e de balcões, a venda de operações internacionais (Espanha e África do Sul, previstas até ao fim do ano),o aumento das comissões e o regresso do banco aos lucros  e o aumento de capital previsto.

Depois de se descontar a inflação, a remuneração média de um português é hoje mais baixa que no inicio do século.

PUB
PUB
PUB