InícioNotícia escrita porMário Malhão

mmalhao@jornaleconomico.pt

Desde 1980 já arderam mais de quatro milhões de hectares em Portugal, quase metade da área nacional. Este ano, ainda com números provisórios, é o terceiro pior neste indicador, tendo apenas ardido mais área nos anos de 2003 e 2005. Como podemos verificar, historicamente a zona mais afetada pelos incêndios é a bacia mediterrânica, onde Portugal, Espanha, Itália e Grécia são constantemente "varridos" por grandes incêndios.

Depois de retirar o país do Procedimento dos Défices Excessivos, o Governo quer cortar o défice público para 1% do Produto Interno Bruto em 2018. A fórmula tem dois lados: um corte significativo da despesa e um ligeiro aumento das receitas, com o crescimento económico como contexto favorável.

As mudanças de dos escalões de IRS, com o desdobramento do actual 2º e 3º escalão, vão levar a um desagravamento do imposto a pagar por todos os trabalhadores com salários brutos até 3.200 euros.

Tendo por base os quadros as despesas dos ministérios,verifica-se que a proposta do OE2018 dá um aumento quase generalizado aos orçamentos ministérios. mas os serviços públicos continuarão a ter limitações na utilização das verbas que lhes estão alocadas.

Desde outubro de 2016, regressaram à Madeira aproximadamente 4.000 emigrantes oriundos da Venezuela, 1.113 dos quais optaram por se inscrever no IEM. 47% dos retornados da Venezuela inscritos no Instituto de Emprego são trabalhadores em idade ativa e têm entre 25 e 44 anos.

Cúmulo jurídico da legislação portuguesa faz com que os crimes de que o ex-primeiro-ministro é acusado impliquem pena de prisão efetiva durante pelo menos uma década, caso seja condenado.

Últimas eleições autárquicas resultaram num resultado histórico para o PS, que pela primeira vez obtém mais de metade das presidências das câmaras municipais do país, sozinho ou numa lista de coligação.

Os dados das Contas Nacionais por setor institucional do segundo trimestre confirma algumas das tendências do passado recente. O défice orçamental está a baixar e tudo aponta para que possa ficar abaixo da meta deste ano. A taxa de investimento das empresas está a recuperar, mas a um ritmo lento. As poupanças familiares estão em mínimos históricos. E o peso dos salários no PIB continua a crescer, mas mantém-se muito abaixo dos valores pré-crise.