InícioNotícia escrita porJoão Marcelino

jmarcelino@jornaleconomico.pt

Em sete meses, Sérgio Conceição melhorou o valor de plantel do FC Porto (mais 54,10 milhões de euros), ajudou a poupar 48,69 m (balanço positivo entre vendas e quase nenhumas compras) e a baixar a folha de salários mensal. Mais de 100 milhões de euros no total! Além disso comanda a Liga e está na Taça (tendo ganho ao Sporting, 1-0, na primeira mão). Dificilmente se poderia exigir mais e melhor

Quem aprecia os jogos políticos, partidários e pessoais só pode ter ficado desiludido com o discurso final de Rui Rio no Congresso. O novo presidente do PSD não perdeu tempo com as incidências do conclave, de Montenegro a Ilina, nem comentou o resultado das listas.

Os congressos dos partidos não são retiros nos quais se deva procurar tempo para refletir. Pensar, para quem quer e pode, é antes. Ali, vai-se, como aos restaurantes da moda, para ver e ser visto - e, com sorte, para sair de lá com a glória do nome nas listas.

Primeiro, o tributo ao passado recente. O elogio a Pedro Passos Coelho. Ouvindo-o falar assim, poucos devem ter sido os "companheiros" presentes na sala que se devem ter lembrado das várias críticas, explícitas e implícitas, ao ex-líder no passado recente.

O chamado Bloco Central não faz nenhuma falta à sociedade portuguesa, e até a contamina perigosamente pela ligação que estabelece ao mundo dos negócios. Mas a relação do País com a União Europeia não pode estar refém do populismo da extrema-esquerda e da nova versão do 'orgulhosamente sós' do século XXI

As exibições, e golos, de Bernardo Silva e Cristiano Ronaldo, na Liga dos Campeões, são as primeiras boas notícias, em muitas semanas, para a seleção nacional e o seu treinador, Fernando Santos. E já só estamos a quatro meses da estreia de Portugal no Mundial, com a Espanha, a 15 de junho, na cidade russa de Socchi

Os elogios do PR a Pedro Passos Coelho e a Mário Soares prestam justiça e trazem moderação à sociedade portuguesa, porque, demasiadas vezes, esta parece entregue a um maniqueísmo esquerda-direita, muito PS 'versus' PSD, que envenena tudo quanto toca. Portugal só perde com isso

A notícia de que capital angolano poderá estar interessado na compra da Cofina (haja ou não algum intermediário irrevogável a trabalhar o processo) não me surpreende. Há muito que penso que um dia, esgotada que fosse a paciência nos meandros dos inocentes que são perseguidos pela investigação do MP, e provada a inutilidade de todos os comentadores úteis que se distinguem pela sanha ao Correio da Manhã (sempre em nome da Democracia e dos direitos das pessoas, pois claro), algum "take over" acabaria por ser tentado em último recurso.