InícioNotícia escrita porJoão Diogo Stoffel, Diretor-Geral da Planalto Capital

Hoje, é normal colocar uma oferta de emprego numa universidade portuguesa e receber uma candidatura de um jovem europeu que concluiu a licenciatura ou mestrado em Portugal e quer ficar a trabalhar no nosso país.

Urge apoiar as nossas instituições culturais e os nossos artistas, e terminar com essa visão tacanha e provinciana que olha para a cultura como o parente pobre.

As propostas económicas do AfD causam perplexidade, pois pretendem destruir precisamente aquela que tem sido a maior vantagem económica da Alemanha nas últimas duas décadas: o euro.

O nosso sistema e o nosso comportamento estão a incentivar o terrorismo.

A propósito das autárquicas em Lisboa, seria muito pertinente trazer para a primeira linha do debate político o problema da vulnerabilidade sísmica da capital.

A abolição do 'roaming' é um pequeno exemplo do extraordinário impacto que a UE tem no dia a dia dos mais de 500 milhões de cidadãos europeus.

Com o aumento do peso eleitoral dos 'millennials', a velha dicotomia esquerda/direita passou a não fazer muito sentido. Para as novas gerações, a discussão socialismo/capitalismo está completamente ultrapassada.

Uma vitória de Marine Le Pen seria uma vitória do extremismo religioso e dos seus objetivos de fomentar um conflito de teor religioso.