InícioNotícia escrita porJoão Abel de Freitas, Economista

Apesar de não estar aí uma crise, uma queda abrupta de turistas, aparecem sinais e alguma preocupação de que se vislumbra instabilidade nos mercados. E Portugal tem zonas muito sensíveis a essa situação.

Portugal é um dos países europeus em que a participação dos rendimentos do trabalho no rendimento do país, face ao do capital, é das mais baixas da Europa.

O modelo atual é uma anarquia burocrática completa. Até o próprio Governo Regional admite esta situação, pelo que é urgente sair do caos.

Porque se meteu a UE numa questão de um país que foi sempre pouco colaborante e se prepara agora para sair? Até porque nada está provado, o que lembra as armas químicas não existentes que justificaram o ataque ao Iraque…

Só há uma saída. Mudanças estruturais de fundo na Europa que sirvam as populações dos diferentes países, a começar pela Zona Euro, o que implica um BCE a sério.

Numa era de grande viragem para a extrema-direita na Europa, e com muita apreensão e pouca barragem desta situação a não ser arranjinhos políticos, recordar um certo decreto é um dever de cidadania.

“Comportem-se como Adultos” é melhor que o melhor Tratado de Política Económica sobre a UE. Deve ser lido por todos, nem que seja para combater as ideias do livro de uma outra Europa que não esta.

Todos os partidos dizem estar muito preocupados com a questão da demografia, mas são tão ambíguos no que dizem que não se percebe aonde querem chegar. Ou se desejam chegar a algum lugar.

PUB
PUB
PUB