InícioNotícia escrita porCarlos Leiria Pinto, Diretor da Região Andina, IFC WorldBank

Escrevo especialmente para todos aqueles que já experimentaram na vida uma situação real de desemprego, seguramente uma das experiências mais duras que um ser humano pode vivenciar.

Hoje, temos uma surpreendente aliança anti-globalização onde a direita mais conservadora e anti-liberal vai de mão dada com os comunistas e a esquerda revolucionária...

Viver fora do nosso meio desperta a criatividade, porque nos obriga a sair da zona de conforto e temos de buscar o melhor que há em nós.

Já dizia Charles Darwin: “... os que sobrevivem não são os mais fortes, nem os mais inteligentes, mas aqueles que melhor se adaptam às mudanças".

Nos últimos 15 anos, a América Latina, na qual incluo o Brasil, registou transformações positivas nunca antes imaginadas, desde a estabilização da democracia em muitos países, o reforço da institucionalidade, passando por longos períodos de crescimento económico acompanhados por políticas de melhor redistribuição da riqueza criada.

Desde 2013, o regime venezuelano conseguiu a proeza mundial de reduzir o PIB nacional em 22%. Como é que o país sentado na maior reserva de petróleo do mundo chega a este ponto?

A democracia portuguesa precisa que os eleitores escolham para seus representantes personalidades que sejam referências morais inquestionáveis.

A Colômbia não deixa de me surpreender pela enorme vitalidade e iniciativa das suas comunidades e capacidade de liderança das suas elites, sejam educadas ou populares.