InícioNotícia escrita porCarlos Leiria Pinto, Diretor da Região Andina, IFC WorldBank

Viver fora do nosso meio desperta a criatividade, porque nos obriga a sair da zona de conforto e temos de buscar o melhor que há em nós.

Já dizia Charles Darwin: “... os que sobrevivem não são os mais fortes, nem os mais inteligentes, mas aqueles que melhor se adaptam às mudanças".

Nos últimos 15 anos, a América Latina, na qual incluo o Brasil, registou transformações positivas nunca antes imaginadas, desde a estabilização da democracia em muitos países, o reforço da institucionalidade, passando por longos períodos de crescimento económico acompanhados por políticas de melhor redistribuição da riqueza criada.

Desde 2013, o regime venezuelano conseguiu a proeza mundial de reduzir o PIB nacional em 22%. Como é que o país sentado na maior reserva de petróleo do mundo chega a este ponto?

A democracia portuguesa precisa que os eleitores escolham para seus representantes personalidades que sejam referências morais inquestionáveis.

A Colômbia não deixa de me surpreender pela enorme vitalidade e iniciativa das suas comunidades e capacidade de liderança das suas elites, sejam educadas ou populares.

Há estudos científicos que, estatisticamente, confirmam que as pessoas de natureza gentil e bondosa são mais vulneráveis e atreitas às doenças oncológicas.

Vimos desaparecer à frente dos nossos narizes montantes colossais, mas parece que ninguém tem genuíno interesse em saber a que chapéu de mágico foram parar.

PUB
PUB
PUB