InícioNotícia escrita porCarlos J. Pereira, Vice-Presidente do Grupo Parlamentar do PS

Urge discutir os novos instrumentos para financiar o Orçamento da UE e colmatar a perda de recursos com a saída do Reino Unido, bem como o possível aumento das despesas decorrente das novas exigências.

Cabe ao novo líder do PSD um de dois caminhos: ou reinventar o diabo e condicionar a agenda económica, ou contribuir para não ser um factor de bloqueio do bom trabalho em curso.

Que nome damos a quem se compromete com algo e não cumpre? Que nome damos a quem recusa debater ideias e soluções com o seu adversário?

Mais uma vez os reguladores da actividade económica, neste caso a autoridade reguladora das comunicações postais e das comunicações electrónicas, têm na sua mão avaliações e decisões muito relevantes para o bem estar dos cidadãos portugueses. Mais uma vez temos a legitimidade para desconfiar da capacidade regulatória em Portugal.

Portugal certificou a sua estratégia e mostrou o caminho que a Europa devia seguir. A Europa de Merkel rendeu-se.

Há a ideia clara de que este Governo não se verga a interesses e 'lobbies', por muito poderosos que estes sejam. Um comportamento que contrasta com atitudes do passado.

Os próximos tempos exigem a serenidade necessária para manter o rumo traçado e projectar o PS-M para o futuro. E para ser a alternativa, ao fim de 40 anos, ao PSD.

A ideia de que o clima económico e a confiança cairiam para níveis históricos foi contrariada com indicadores de confiança a bater recordes e com o clima económico a revelar uma pujança nunca vista.