InícioNotícia escrita porBernardo Silva Câncio, BiG - Banco de Investimento Global

A generalidade do mercado parece estar a desenvolver uma visão negativa relativamente às perspetivas para o resto do ano.

Por vezes, no médio-prazo, não é a dimensão do buraco financeiro que mais importa, mas a abrangência socioeconómica da empresa.

O Japão está na linha da frente para absorver qualquer vento inflacionista que venha da China, e o banco central deveráaproveitá-lo para reverter as medidas mais extremas que tem vigentes.

A inflação é o batimento cardíaco da economia. Se for baixa, é provável que a economia fique fragilizada. Se demasiado alta, é provável que o coração da economia entre em colapso.

A verdade é que é pouco provável que a reforma fiscal seja o principal motivo para decisões de investimento e contratações.

Como é que um banco central aumenta o ritmo de expansão monetária para mais do dobro do que era considerado “normal” e a inflação se mantém contida?

Desde o fundo da última recessão já passaram mais cem meses quando de um ponto de vista histórico as fases de expansão têm em média cerca de 60 meses.