InícioNotícia escrita porBernardo Silva Câncio, Analista, BiG - Banco de Investimento Global

Por mais complexos e bonitos que sejam os modelos de avaliação de ativos financeiros ou os modelos de previsões macroeconómicas, no final do dia, grande parte do valor dos ativos estão dependentes de algo que é intrinsecamente incerto.

A indústria de gestão de ativos tem assistido a uma mudança interessante dos gostos dos investidores.

Noutros tempos houvera líderes mais poderosos, mas actualmente Xi Jinping é muito provavelmente o ser humano que está mais perto de atingir um estado de omnipotência. É o que “manda naquilo tudo”…

Os baixos níveis de inflação a nível global têm sido provavelmente o maior enigma económico deste ano.

Kim Jong-un voltou a ultrapassar as marcas nas relações internacionais ao disparar um míssil de média distância que sobrevoou o Japão, caindo depois no Oceano Pacífico.

O Tribunal Constitucional alemão recusou no passado dia 15 de agosto decidir acerca de uma série de processos contra o Banco Central Europeu (BCE), que contestam que o programa de estímulos monetários atualmente vigente viola a lei alemã no que toca a financiamento público via política monetária.

A valorização do par cambial euro-dólar nos últimos dois meses é um desenvolvimento que tem intrigado os investidores. Poucos anteviam que o euro-dólar cavalgasse para além dos 1,15 numa fase em que o diferencial de taxas de juro norte-americanas e europeias está perto de máximos de vários anos.

Não é a frequência da renda ou do dividendo que determina a atratividade, mas o retorno face ao investimento.