InícioNotícia escrita porAntónio Rodrigues, Advogado

A política externa americana assumiu em vários momentos contornos erráticos. E afirmar que Trump não sabe o que quer é precipitar uma conclusão em função do que se quer ouvir.

Um julgamento ameaça envenenar as relações entre Portugal e Angola. Não podemos usar um processo grave para dar lições de isenção ou de superioridade, ou para responder à 'vox populi'.

E conseguirá o primeiro-ministro chegar ao fim deste ano sem remodelar ou, pelo menos, substituir alguns governantes em declínio ou cansados? Há claros sinais de esgotamento político que podem enfraquecer o governo em áreas vitais.

O PS pode procurar acolitar-se do outro lado da barricada. Basta para isso encontrar poiso à sua direita por alguém que privilegie o regresso ao poder como estratégia.

Esfumado o objetivo da maioria absoluta, o PS passa por um momento complicado, com um desnorte do primeiro-ministro enredado na teia que desenhou.

O consumismo político que se esgota nas medidas do quotidiano faz com que alguns projetos políticos assentem no imediato e nunca a médio ou longo prazo.

Cabe à Comissão Europeia assumir a liderança do processo de reforma e concentração da discussão a nível europeu para encontrar novas soluções.

Estas eleições não são uma primeira volta de resultados nacionais. Têm espaço e legitimidade próprios que em cada mandato mais se justificam.