“Arrancado a ferros”: EDP e sindicatos acordam aumento salarial de 1,3%

Atualização salarial é extensível à totalidade dos cerca de seis mil trabalhadores do grupo em Portugal.

A EDP e a Fiequimetal chegaram a acordo “‘arrancado a ferros’, porque a empresa não queria dar um aumento significativo aos trabalhadores” para uma atualização salarial de 1,3% para este ano, segundo Joaquim Gervásio, porta-voz da federação intersindical.

“Num ano em que a empresa [EDP] subiu os seus lucros em 5,0% [para 961 milhões de euros] e vai aumentar em 3,0% os dividendos distribuídos aos acionistas, andou três meses a oferecer aos trabalhadores um aumento de apenas 0,7%”, disse o responsável da Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas (Fiequimetal), Joaquim Gervásio à Lusa.

Joaquim Gervásio classificou como “o acordo possível”, acrescentando que “é um aumento na mesma linha do ano anterior e só foi possível com muito esforço”.

Anteriormente, os sindicatos pediam uma atualização salarial de 4%, sendo que a EDP ofereceu os já mencionados 0,7%. A Fiequimetal baixou a exigência para os 3,1% e as posições mantiveram-se inalteradas até à reunião de hoje.

A atualização salarial é extensível à totalidade dos cerca de seis mil trabalhadores do grupo em Portugal.

 



Mais notícias
PUB
PUB
PUB