Alimentos mais caros? Culpem os ‘hipsters’, diz Bloomberg

A moda das torradas com abacates, das bebidas de café "exóticas" e das "tostas unicórnio" contribuíram para o aumento exponencial do preço dos abacates, da baunilha e do queijo creme.

REUTERS/Lucy Nicholson

Normalmente as tendências ditam os preços. E este princípio aplica-se também aos alimentos, que, conforme as modas, tornam-se menos ou mais caros. A agência Bloomberg quis saber a razão por detrás do elevado preço de, por exemplo, os abacates, e descobriram que a culpa é … dos hipsters.

A moda das torradas com abacate, das bebidas de café “exóticas” e das “tostas unicórnio” contribuíram para o aumento exponencial do preço dos abacates, da baunilha e do queijo creme.

“Tostas unicórnio” feitas com queijo creme

 

Estas tostas são feitas com queijo creme e com colorantes, naturais ou não, como a spirulina, e, estão a ser um sucesso no Instagram. No entanto, devido a esta moda, o preço das embalagens de queijo creme aumentaram 31%.

O caso está ainda mais mal parado com os abacates, onde uma caixa de 10 quilos de abacates Hass, provenientes do estado de Michoacan, o maior produtor do México, custa agora mais do dobro do que há um ano, e é o maior valor registado nos últimos 19 anos, conta a agência.

A couve-flor tem também sido uma moda. As dietas vegan e sem gluten adotaram este legume, contribuindo para o pico dos preços no Canadá. Nos EUA, os preços triplicaram em pouco mais de um ano, devido à moda do arroz de couve-flor e crosta de pizza feita com couve-flor.

O próprio Starbucks está perto dos máximos históricos, uma vez que beneficia dessas tendências. Quando a empresa publicou os lucros na semana passada, a empresa destacou o sucesso do “Frappuccino Unicórnio”.



Mais notícias
PUB
PUB
PUB