Aí está o Brexit: Empresários do Reino Unido não encontram ‘mão-de-obra’

Um em cada quatro empresários britânicos já teme que os trabalhadores comunitários empreendam em 2017 o seu regresso ao 'Velho Continente'.

Jon Nazca/Reuters
Jon Nazca/Reuters

O êxodo dos trabalhadores europeus do Reino Unido já começou, noticia hoje o site de economia espanhol El Economista. Assim, 25% dos empresários britânicos já temem que os trabalhadores comunitários empreendam em 2017 o seu regresso ao ‘Velho Continente’, segundo um questionário efectuado pelo Chartered Institute Of Personnel and Development e noticiado pelo Financial Times. Esta percentagem alcança 49% entre empresários do setor sanitário ou 43% na educação.

De facto, segundo o estudo do CIPD – para o qual foram entrevistadas mais de mil empresas britânicas – os efeitos da escassez de pessoal já se estão a notar em trabalhos de baixa qualificação: retalhistas, fabricantes e produtores de alimentos não encontram a ‘mão-de-obra’.

Por outro lado, o Gabinete Nacional de Estatística do Reino Unido informou recentemente de que o crescimento do número de trabalhadores da EU nas ilhas tinha-se reduzido de forma significativa desde que os britânicos deram o ‘sim’ ao Brexit. Nos nove meses antecedentes à consulta popular, o número de trabalhadores da UE em solo britânico crescia a um ritmo de 60 mil pessoas por trimestre, cifra que caiu até aos 30 mil nos trimestres posteriores ao referendo.

Tags
  • Mário

    Que notícias estas…umas dizem que, dado o Brexit, os britânicos estão condenados ao fracasso económico. Neste caso, queixam-se da falta de mão-de-obra…mas…para que a querem se, de acordo com o que dizem os “remain”, a atividade económica vai definhar???

    • orion_hum

      Deixe-os ir sossegados. Têm liberdade para o fazer,

    • Hugo Vaz

      Isto é a confirmação de que realmente vai definhar, ao contrário da propaganda leave que dizia que era tudo 31 de boca. Ora aí está o “31 de boca” a concretizar-se… e o espetáculo ainda nem começou.

      • orion_hum

        Só temos certeza da incerteza que paira. Todos os cenários são possíveis, certo?
        Deixe-mo-los ir dignamente.

        • Hugo Vaz

          Todos os cenários são possíveis, mas nem todos têm a mesma probabilidade de ocorrer.

          • Mário

            De facto, não estou a ver que o RU passe a ser um país “meio atrasado”…porque nunca foram…

          • Hugo Vaz

            Lá está, probabilidades. Essa também não é a que tem mais probabilidade de acontecer, a que tem maior probabilidade de acontecer é perder o estatuto de capital financeira e tornar-se irrelevante em termos geo-políticos. Em suma: mais um entre os demais.

        • Mário

          Eles irão…como sempre, como um dos países mais desenvolvidos do mundo, já que nunca tiveram jeito para parvos.

          • Hugo Vaz

            como um dos países mais desenvolvidos do mundo

            Nem no Top 10, mas consegue o 14º lugar no Indice de Desenvolvimento Humano (atrás da Noruega, Suiça, Dinamarca, Países Baixos, Alemanha, Irlanda, Liechenstein e ex-aequo com a Suécia, só para referir países Europeus).

            Já se falarmos de riqueza aparece no 27º lugar (atrás do Luxemburgo, Irlanda, Noruega, San Marino, Suiça, Países Baixos, Suécia, Alemanha, Islândia, Aústria, Dinamarca e Bélgica).

      • Mário

        Então mas, se definha a economia, não será normal, um excedente de mão-de-obra?
        Porque se queixam da falta dela?

        • Hugo Vaz

          Não, não seria normal um excedente de mão de obra quando o país em questão “importa” mão de obra por não ter no mercado local e neste momento houve uma quebra desse fluxo (está na notícia, normal de 60 mil por trimestre, agora 30 mil… passou a metade). Respondido? Não é preciso muito para ler a notícia e perceber que se trata de trabalhadores imigrantes, ora se deixaram de procurar Inglaterra é normal que agora exista um problema crescente, ergo confirmação de que realmente vai (está a) definhar.

  • Ignorante

    Transfiram as empresas para a UE que mão de obra não faltará.

    • orion_hum

      eheheheh

    • Alberto Araujo

      Ao preco da China ou parecido.

    • Joana Veiga

      Em Portugal estão uns quantos à espera para fazer estágios não remunerados nessas empresas! Infalível!

  • Tee Kommpadry Rex Portugalliae

    Que ponham os milhões de cidadãos vindos da Commonwealth e que vivem de subsídios a trabalhar, para saberem o que é bom. A vida não é só rezar e odiar os ingleses na terra deles.
    O mundo mudou, já não é como nos anos 50 ou 60, em todo o lado no mundo fabricam os produtos que se fabricam no RU ou na UE, só que a custos de longe mais baixos e é por isso que a UE, está em crise…
    Quem recebe €2000,00/mês e com todos os direitos de trabalho e sociais, não consegue concorrer com quem ganha €50,00/mês, sem direitos de trabalho e sociais, SE NÃO HOUVER ALFÂNDEGAS A APLICAR TAXAS E TAXINHAS.
    O RU vai pagar um “preço” muito elevado com a saída da UE. O mercado da Saudade do Canada, Austrália e Nova Zelândia, não será suficiente para alimentar dezenas de milhões de ingleses.
    Sai mais barato para a Austrália importar qualquer coisa da Ásia, do que comprar à Inglaterra, por exemplo..

    • Martin Vaz
      • Mário

        Não será por causa do que diz a notícia: “Frio em Espanha e Itália está a afetar o crescimento das curgetes…”?

        • Martin Vaz

          No caso dos legumes, parece ser o frio a causa da escassez.

          • Mário

            E o que terá isso a ver com a falta de mão-de-obra no RU?

          • Martin Vaz

            Não está directamente ligado há redução de mão-de-obra.
            Alem da diminuição de trabalhadores da U.E no R.U, começam a faltar produtos no mercado inglês por outros motivos, apenas uma curiosidade.

          • Mário

            Pelo que diz a noticia, falta mão-de-obra. Não parece haver redução das necessidades de mão-de-obra…

          • Martin Vaz

            É cedo p/falar em crise no R.U, uma incógnita o que muitas empresas vão fazer, continuar a produzir ou deslocalizar p/a U.E, incentivos do governo do R.U à economia/empresas, há muitas variáveis em jogo, a seu tempo…..

          • Mário

            Concordo. É mesmo demasiado cedo para falar em crise no RU…

      • Jose Fonseca

        Só os Portugueses continuam a aumentar…

      • Joana Veiga

        É uma fome no Reino Unido que os ingleses parecem todos uns etíopes. É melhor mandarem para o Reino Unido as vossas sobras!

    • fernando

      Que se aguentem, assim o quiseram, assim o tem.

      • Jose Fonseca

        E muitos Portugueses…e continuam a ir.

        • José Sousa

          Acho que já não é bem assim….

      • Joana Veiga

        Vê-se mesmo que não percebe nada do que diz. Não são os maomés que não trabalham, no Reino Unido.

        • Jose Manuel Ribeiro

          Joana há idiotas que como bem diz, falam como os papagaios.

        • JoseGomesL

          Já viu algum deles trabalhar na indústria???? Ou numa empresa de limpeza???

      • JoseGomesL

        Esses só recebem subsídios para fazerem mais filhos, e só votam noutros iguais.

    • Jose Fonseca

      Sai mais barato mandar vir do RU que comprar em Portugal. Um amortecedor em Portugal, €80, o mesmo no RU posto em Portugal, £36 ( quarenta e poucos euros). E diz: “é por isso que a UE, está em crise…” bom, afinal não é só o RU. Quanto a trabalhadores, não é problema. Estão lá 400 mil Portugueses ( desemprego a baixar em portugal), vão mais 400 mil.

      • PaiGracindo

        Na couchê!
        Os ingleses não conseguem por a a trabalhar os desempregados que lá têm a expensas da Segurança Social há anos.

        • Joana Veiga

          Ainda bem que em Portugal não há subsidiodependentes. Graças a Deus!

          • José Sousa

            Em comparação com UK, Portugal quase não tem subsidiodependentes !

          • Gildo

            Tirando os que recebem o Rendimento de Integraçao criado pelo Guterres..Aquela medida provisória criada no séc XX que abrange centenas de milhares e depois vão para as ruas venderem roupa ou oculos falsos…

          • José Sousa

            São peanuts em comparação.

          • JoseGomesL

            A diferença, é que a Inglaterra só começou a dar esses subsídios depois de já ser um país rico, ao contrário Portugal copiou esses subsídios sendo país pobre, tal como o Brasil. É que assim há muita ventoinha que fica para sempre agarrada a esses partidos que começaram a dar o dinheiro que não tinham.

          • PaiGracindo

            Graças a Deus que os há!
            Não somos menos que os outros, tb somos europeus.
            Tb temos muitos Cílios.

          • PaiGracindo

            … muitos Xulios.

          • JoseGomesL

            Olhe que há muita gentinha em Portugal que não entende um ironia.

      • Tee Kommpadry Rex Portugalliae

        O problema é que esse amortecedor de £36 ou é produzido na Roménia, ou Bulgária ou China (ou na Coreia do norte e exportado como made in China) e ficando fora da UE, o preço irá subir no RU se for made in Roménia ou quejandos, se for made in China, será barato no RU, mas como pagará direitos para entrar na UE, ficará mais caro!
        Ou seja, aconteça o que acontecer os preços vão subir. A batota dos impostos tem de acabar um dia e as comissões gulosas dos intermediários import/export, também se as regras funcionarem.
        Procurando bem às vezes até se consegue cá bons preços…

        • JoseGomesL

          A batota dos impostos jamais acabará, era bom, mas isso não vai acontecer.

      • val

        O negócio das peças auto em Portugal é uma autentica máfia!O preço das peças auto em Portugal dependendo de onde compra poderá ser superior/inferior a 50%.O Português tem o hábito de querer enriquecer num dia,enquanto em outros países a mentalidade é diferente.Existe actualmente lojas online de peças europeias(alemãs,espanholas)que trabalham muito bem com excelentes preços e peças fabricadas na europa ,muitas na alemanha(caso da autopecasonline24)e da espanhola pecasautoviaweb.

    • JoseGomesL

      Concordo com tudo, menos com a afirmação de que o RU vai pagar um preço muito elevado, acho mesmo que eles vão se “sair” muito bem.

    • JoseGomesL

      Uma das coisas fundamentais é acabarem comos subsídios para fazerem filhos, no RU ou em qualquer país de democracia.

  • orion_hum

    É disto que eles abdicam em nome da sua soberania:
    http://ec.europa.eu/justice/citizen/

    (só está em inglês, acho que foi para explicar aos britos)

  • Pirocas and so on

    Como não então tem para la tanto cabeça de lençol…

  • Rodrigo Alberto

    Podem mudar as empresas para cá!!!

  • Alberto Araujo

    Os patröes ingleses estäo a ficar desorientados.A mäo de obra ao
    preco da China está a desaparecer do Reino Unido.

    • Tuga

      Qualquer limpa retretes no UK ganha mais que um licenciado a trabalhar na sua area em Portugal (e quem diz Portugal diz muitos outros paises). Mao de obra ao preco da China o carai!

    • Joana Veiga

      Vender GPS’s é que deve estar a dar.

  • Carlos Gonçalves

    Ainda hão de ficar pior…se calhar esses empresários que agora se queixam são os mesmos que votaram pela saída…agora aguentem!

    • Alberto Araujo

      Mas que pena tenho eu deles coitadinhos.Fazer um peditorio
      para os ajudar.

  • José, Província

    Descansem que como a tia May diz vai ser uma maravilha: “make the UK great again”!

    • Mário

      De facto deve ser como diz! Parece que falta mão-de-obra.

  • jr moura

    Pelos vistos já não se pode falar em português na minha terra será que portugal já é dos ingleses não se pode dizer a verdade?

    • jr moura

      Se assim é portugal não tem condições para existir

  • fernando

    Aguentem-se.

  • Carlos Alberto Gomes

    #FUD i. é, (campanha de) medo, incerteza e dúvida. E em primeiro lugar é bom nos lembrarmos que uma das razões para o apoio a movimentos como o BREXIT reside nos baixos salários pagos, alimentados por formas de trabalho que chegam a ser análogas à escravatura. Se esse não fosse o caso, não haveria necessidade de se recorrer à importação de mão de obra não qualificada.

    • Jose Fonseca

      Estás a falar da escravatura no Alentejo?

      • Carlos Alberto Gomes

        A notícia é sobre o Reino Unido…

    • Joana Veiga

      O Reino Unido importa mão de obra qualificada também. Muita! Os enfermeiros, os médicos, os cientistas, os professores,… não há só “janitors” e “housekeepers”. Há muita gente em cargos de responsabilidade e que aí em Portugal ficava sujeito às côdeas, porque não eram filiados nas Jotas.

      • Carlos Alberto Gomes

        Ninguém disse o contrário. No entanto, não é sobre esses que o artigo se refere…

  • Joao Sousa

    Começa a escassear mao de obra … barata , coisa que ate aqui , havia em abundância . Pois é , mais uma vez se prova que a globalizaçao , baixa o preço da mao de obra , so nao percebo porque razao a esquerda e a direita , a apoiam !

    • Joana Veiga

      Em Calais tem-se notado muito um fluxo de movimentos migratórios muito acentuado de portugueses, espanhois, gregos, italianos e polacos a regressar às suas terras. Vão aos magotes!

  • Vitor Emanuel

    E assim se faz notícias com ideologias de esquerda por terras lusitanas !

  • Jose Fonseca

    Tanta gente preocupada com o RU e com os USA…grandes amores.

  • PaiGracindo

    Vamos lá falar do Trump e do Brexit, pois então.
    A propósito, o Jorge Miguel dos Wham, ainda não foi sepultado.
    Deve ser por falta de mão de obra.
    Ou porque os coveiros andam nas manif’s contra o Trump.

    • Pó de Sirphoder

      é o namorado que não deixa.
      parece que quer ser ele a enterrá-lo pela ultima vez…

  • Pó de Sirphoder

    tenho um monhé para exportar… barato

    • PaiGracindo

      Tens que pagar para o vender.

  • Comentador

    Tanto alarido! Alguma vez o Brexit significou que só os ingleses “puros”, branquinhos, é que poderão viver no Reino Unido? Admira-me que pouca gente entenda que os ingleses querem continuar a ter estrangeiros para fazer os trabalhos duros. Mas, o que eles querem é saber quem eles são, poder controlar as suas fronteiras. E o brexit venceu porque os ingleses não querem que uns senhores em Bruxelas decidam enviar para lá grupos de pessoas que ninguém sabe quem são. Controlar fronteiras não significa não receber estrangeiros: significa que quem lá entra tem que se identificar “como deve ser”, e não como até agora. E eles nunca terão falta de trabalhadores, pois todo o mundo quer ir para lá ganhar dinheiro.

    • Maria

      Pareçe que só voce e eu é que compreendemos isso…muita gente ainda não entendeu isso! Mas a forma distorcida e manipuladora dos Midia tem sido assustadoramente anti-democratica e demagógica!.. o mesmo poderá acontecer com a França, Italia e Grecia…a propria Hungria tambem esta contra e a Austria está de nariz cheio! Em todos os paises da Europa do Norte, só se tem aumentado os crimes, as violações, carros icendiados, vandalismo e o Caos! Qual é o problema de se desejar as “Fronteiras” controladas outravez? 90% desses “Pseudo-refugiados” não teem “Papeis”, ninguem os pode controlar e Como “eles” são espertos, passeiam-se por toda a Alemanha e registam-se em varias cidades com nomes e idades diferentes…ha casos onde refugiados estão inscritos com 7 nomes diferentes e a receberem 7 mensalidades por cada cidade!!! esta é a boa Organização de registo na Alemnha! CLARO que Estas noticias não são divulgadas por nunhum jornal europeu certo??? não convem que os parvalhões dos cidadãos que trabalham e pagam impostos, se revoltem com Estas questões!!! Se na Europa democraica fizessem um Referendo igual ao do RU, talvez se surpreendessem…e por isso mesmo não o fazem porque teem MEDO!!!

      • Tuga

        Engracado como todas as vezes que vou ao UK passo sempre na fronteira e mostro o passaporte, coisa que nao acontece nos outros paises Europeus, mesmo os que nao estao na UE como a Noruega e a Suica.
        E eles receberam imensos refugiados, quase tantos como Portugal! Ainda agora mudaram o numero de aceitacao de criancas refugiadas de 3000 para 350. Porque sim, nunca se sabe se um miudo de 5 anos nao sera um terrorista – nao tem ouvido o Sean Spicer?

  • alySSa #5

    agora é o momento de enviar ao trabalho os vagabundos que vivem com o rabo para cima. cortem-lhes os subsídios e coloquem a todos para trabalhar, coisa que jamais fizeram em toda a vida.

  • Joana Veiga

    Que bom é, saber que Portugal não tem problemas internos e então prefere-se discutir o Brexit :D Os grandes portugueses! Completamente subjugados às políticas de Bruxelas e acham que têm opinião :D Deixem as decisões dos ingleses para quem de direito e cuidem de vós.

  • José Sousa

    O que são “empresários do setor sanitário”?
    Limpa retretes? Acredito que os ingleses tinham por habito fazer outsourcing destes serviços. Já não têm a desculpa dos estrangeiros estarem a roubar os seus preciosos empregos.

  • Pirocas and so on

    Quem me arranja a receita da carne de porco alentejana

  • Luis Filipe Timoteo

    3000 pounds per month, House & Food. You may count on me!

  • val

    Temos cá muitos milhares de africanos,sul americanos,europeus de leste,ciganos.Podemos enviá-los em correio prioritário se precisarem…

  • Claro que isso ia começar a acontecer, agora querem trabalhadores e não há. O Reino Unido é um país de imigrantes e foi construído pelos mesmos desde do final da Segunda Guerra mundial! Cerca de 25% da força trabalhadora do Reino Unido são imigrantes, ou seja um quarto dos impostos pagos, são pagos por imigrantes, e essas são a verdades que não dizem. A União Europeia e os imigrantes são 2 pilares essenciais da economia do Reino Unido! Ou seja o Brexit vai destruir o reino unido e já se começou a sentir isso. O problema que existe aqui no Reino Unido é mesmo que existe em vários países. É facto de os britânicos se acharem demasiado bons para trabalharem nos chamados “crap jobs” ou seja, os trabalhos de baixa qualificação como lares de 3 idade, varrer ruas, mc donalds, agricultura, ou seja coisas assim. E muitos preferem estar a viver de subsídios do que trabalhar nesse tipo de trabalhos. Eles não querem trabalhar e depois dizem que imigrantes vêem para cá roubar-lhes os trabalhos e que são os culpados de tudo e mais alguma coisa, basta entrar em um autocarro, metro ou outra coisa qualquer às 5 6 7 8 ate 9 da manha ou raramente se vê um inglês a ir trabalhar a essas horas a não ser que se alguém de classe mais alta. O Brexit só ganhou por causa do puro racismo e xenofobia contra a classe imigrante. Basta ver a percentagem das votações para entender isso. No Reino Unido como em muito países conservadores na Europa como caso de portugal, as pessoas com mais de 40 anos são por norma muito racistas e xenofóbicas, e não se adaptam ao mundo globalizado que vivemos hoje em dia e acham que a coisa melhor é viver fechados e isolados de tudo e de todos. Que é uma coisa altamente triste. Os jovens no Reino Unido votaram para ficar, 2 países votaram para ficar e velhada britânica e que votou para sair. Quem vai sofrer as consequências do brexit são novas gerações de agora e não as que votaram agora.

  • oleg

    Os ingleses dividiram a Europa para a dominar durante séculos. Sem o império que perderam depois da sua vitória na IIGM o RU não é sustentável nos mesmos moldes, a vitória na guerra azedou. E agora terão de depender seja da Europa seja dos EUA para continuar o Reino.

  • JoseGomesL

    Esta é uma notícia falsa, se até agora tinham mão de obra, ela simplesmente nãos evaporou.

  • AntiLib (Ex. Eu)

    Noticia da treta. Os estrangeiros em Inglaterra só saem se encontrarem no continente os mesmos salários e condições que têm lá, como isso parece pouco plausível, logo…