Adeus, cartões? Já é possível pagar com relógios, anéis e no Messenger

A MasterCard apresentou ao Jornal Económico as suas novas soluções de pagamento, que passam por tornar a compra mais rápida através de reconhecimento facial do utilizador, com uma 'selfie', ou por modernizar as máquinas de venda automática.

MasterCard Inc. credit and debit cards are arranged for a photograph in Washington, D.C., U.S., on Wednesday, Jan. 29, 2014. MasterCard Inc. is expected to release earnings data on Jan. 31. Photographer: Andrew Harrer/Bloomberg

Lisboa recebeu esta semana uma das maiores cimeiras tecnológicas a nível mundial, a Web Summit, onde os temas do open banking, das digital wallets, das fintechs, das criptomoedas e da Inteligência Artificial (IA) marcaram vários painéis no evento. Antes de Portugal receber pela segunda vez esta conferência, o Jornal Económico esteve no MasterCard innovation Forum (MIF) para conhecer as novas soluções de pagamento da empresa, que pretendem responder ao fenómeno da digitalização no setor financeiro e nas várias indústrias de consumo.

O fórum teve como assunto principal o impacto da diretiva europeia PSD2, na qual os bancos vão de permitir o acesso dos chamados Third Party Providers (TPPs) aos seus serviços de pagamento. Na opinião de Alejandro Banegas, responsável da MasterCard Ibéria, a evolução em direção ao desenvolvimento do modelo bancário aberto é uma “tendência imparável”. “No mundo real e difícil tirar o poder ao cartão. A solução é criar serviços que tragam valor acrescentado”, sublinhou, enquanto exemplificava modelos de e-commerce e de retalhistas a nível mundial, como a Amazon, a Inditex ou o El Corte Inglés.

O responsável de pagamentos digitais da Mastercard, Lorenzo Fredianelli, considera que a plataforma Mastercard Digital Enablement Service (MDES), que permite transformar qualquer dispositivo num motor de comércio para fazer e receber pagamentos, está espalhada por toda a Europa. A seu ver, o importante é “tornar o consumidor um comerciante ele próprio”. No painel em que discursou sobre serviços inovadores e soluções para melhorar a experiência do utilizador, Lorenzo Fredianelli explicou que os chatbots e as plataformas de IA com voz apreendem novos fluxos sem que o indivíduo tenha de sair da sua aplicação de mensagens ou de instalar um app de retalho diferente.

Quais são as novas formas de pagamento?

  • Fitbit – Tokenização e acessórios tecnológicos

Caso as pessoas não queiram levar a carteira para a rua, quando vão correr ou comprar algum produto, a MasterCard anunciou a incorporação do Fitbit Ionic num smartwatch da tecnológica Fitbit. Inicialmente está disponível nos Estados Unidos da América, mas a empresa prevê a expansão a nível global em breve. “O Fitbit Pay permite aos consumidores efectuarem pagamentos online diretamente do a partir do Fitbit Ionic, adicionando mais conveniência ao possibilitar deixar o smartphone e a carteira em casa “, afirma Jon Oakes, vice-presidente de gestão de produtos da Fitbit.

Durante as demonstrações dos novos produtos, a Mastercard mostrou também o ‘anel digital’ que serve como um tradicional cartão de pagamentos. No que diz respeito à tokenização, a empresa cria um número alternativo exclusivo (token) para o número de cartão de 16 dígitos, na parte frontal ou posterior do cartão de pagamento.

  • Verificação de identidade com uma selfie (ID Check)

Tirar uma foto, entrar no sistema automaticamente e pagar o produto/serviço. O sistema Mastercard Identity Check Mobile tem como objetivo agilizar as compras e transações, aumentando a rapidez do processo e a segurança, tendo em conta que utiliza dados biométricos, como impressões digitais ou reconhecimento facial, que passam pelo scanner e permitem verificar a identidade do titular do cartão. Assim, deixa de ser necessário ter uma password (ou várias) e basta tirar uma selfie no telemóvel, que irá fazer o ID check da pessoa.

  • Máquina de venda automática

Junto aos transportes públicos, nas escolas, nos hospitais ou nas empresas, as máquinas de venda automática são recursos hoje em dia disponíveis em vários locais e cruciais quando fome ou a sede apertam. No entanto, num mundo em que 61% dos consumidores tem interesse comprar em lojas com serviço virtual, estes aparelhos deixam de ser práticos para quem não tem moedas na carteira. Neste momento, é possível que uma máquina de venda automática com mais de uma década aceite pagamentos através de smartphone, se a empresa que explora o aparelho a modernize.

A app percebe que a pessoa está próxima de uma máquina de vendas automáticas e, através de uma ligação Bluetooth entre o telemóvel e a máquina, o consumidor escolhe o produto que pretende adquirir e o pague com o telemóvel, usando o MasterPass, como noutra compra qualquer num restaurante ou loja de roupa. Atualmente, a funcionalidade está a ser utilizada nos Estados Unidos da América, no Canadá, na Colômbia, no Chile, no Reino Unido, na Irlanda, em Itália e na Austrália.

  • Pagamentos através de chat

Os consumidores vão poder fazer transações e compras através serviços de troca de mensagens e do Masterpass. Os ‘bots’ permitem que o utilizador ‘converse’ literalmente com a loja e faça as suas compras diretamente do Facebook Messenger, por exemplo. Há também uma alternativa para os bancos, com um assistente bancário virtual que funciona através de ‘bots’ de IA para conversações sobre serviços financeiros (tirar dúvidas sobre contas, consultar histórico de compras, monitorizar gastos, etc.): o KAI,  fruto da parceria entre a Kasisto e a Mastercard. Inicialmente, o Mastercard bot para entidades bancárias só será disponibilizado no Facebook Messenger.

  • Bilhetes de transportes digitais




Mais notícias