7 Maravilhas vai escolher a melhor mesa regional de Portugal

O vencedor das 7 Maravilhas à Mesa deverá ser conhecido em setembro de 2018.

A organização das 7 Maravilhas de Portugal anunciou ontem uma nova ‘competição’ para promover o território nacional e os produtos endógenos, a ‘7 Maravilhas à Mesa’, que vai colocar no centro das atenções nos próximos meses pratos, petiscos, vinhos, azeites, queijos, sopas e outros eventos e experiências gastronómicas, .

Esta é a sétima edição das 7 Maravilhas de Portugal, depois das Aldeias de portugal, Praias de Portugal, gastronomia, Maravilhas Naturais de Portugal, Maravilhas de Origem Portuguesa e 7 Wonders of the World.

Para a edição das 7 Maravilhas à Mesa, as candidaturas arrancam amanhã, 17 de novembro e fecham a 27 de fevereiro.

O processo segue o percurso de anos anteriores, com a votação de um painel de especialistas na lista longa de candidaturas, de onde vai resultar uma lista de 49 pré-finalistas, 7 de cada região.

Haverá finais por cada região, de onde se escolherão, aí já por voto do público, as ‘mesas’ vencedoras de cada uma das regiões referidas.

Em sete galas com emissão televisiva serão eleitas duas mesas finalistas, num total de 14, duas por cada região NUTS II – Porto e Norte, Centro (que inclui a região vinícola do Médio Tejo), Lisboa e Vale do Tejo (que inclui a subregião vinícola da Península de Setúbal e do Oeste), Alentejo e Ribatejo, Algarve, Açores e Madeira.

“As candidaturas a concurso serão as “mesas”, mas num conceito alargado, que inclui o melhor que uma região tem para oferecer: os seus pratos, vinhos, pão, azeite ou queijos, mas também aquilo que pode ser experienciado, como um evento, uma adega, um lagar, um museu ou um percurso pedestre”, explica um comunicado da organização das 7 Maravilhas à Mesa.

Na  prática, cada região vai escolher 7 patrimónios, que incluem comidas, vinhos e uma escolha na área do turismo.

Esta escolha será chamada “Mesa de (nome do lugar, aldeia, vila, cidade, restaurante ou hotel)”, que são os diferentes tipos de candidatos que podem concorrer a este concurso, e disputará com mesas de todas as regiões de Portugal, o título de Maravilha.

Com efeito, as candidaturas às 7 Maravilhas à Mesa podem ser apresentadas por qualquer entidade, pública ou privada (incluindo restaurantes e unidades hoteleiras), desde que respeitem o regulamento em vigor, o que estará disponível no ‘site’ oficial, na área de candidaturas.

Cada candidatura será composta por 7 patrimónios à escolha, devendo obrigatoriamente incluir um património de cada categoria: gastronomia; vinhos e azeites; e roteiro turístico.

Todo o processo tem o acompanhamento e supervisão de um Conselho Científico e a votação é auditada pela PwC.

“Chegou a hora de elegermos alguns dos patrimónios mais apreciados pelos portugueses: a gastronomia associada aos vinhos e a roteiros turísticos. Vamos votar o prazer de estar à mesa e também o prazer de ir para lá, de lá chegar, de lá estar. Trata-se por isso de comer, de beber e de andar por roteiros turísticos, desfrutando do melhor que a vida tem para nos oferecer. Queremos harmonizar a gastronomia com os vinhos, mas também com o prazer de percorrer o país, descobrindo os encantos do enoturismo”, explicou Luis Segadães, presidente das 7 Maravilhas no lançamento oficial do projeto no São Lourenço do Barrocal, com vista para Monsaraz, aldeia eleita como uma das 7 Maravilhas de Portugal em 2017.

Segundo a organização deste evento, as 7 Maravilhas “avançam agora para um território que cria um vínculo com o que sai da nossa terra, com a experiência que tiramos ao visitar as regiões vinhateiras portuguesas e com o que apresentamos à mesa. Esta eleição vai promover a verdadeira experiência de comer e beber a uma mesa portuguesa, razão pela qual somos cada vez mais um destino turístico de referência”.

Luís Segadães acrescenta que “era inevitável que as 7 Maravilhas acabassem por entrar no território dos vinhos, que são fator diferenciador incontornável na promoção de Portugal além fronteiras, e regressar ao universo da gastronomia, que já elegemos em 2011 e que agora abre todo um novo leque de oportunidades de promoção ao ser aliado aos vinhos e aos roteiros e experiências que tornam a nossa mesa única no mundo”.

As 7 Maravilhas à Mesa conta com o Alto Patrocínio do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, da Secretaria de Estado do Turismo e da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, sendo desenvolvido em parceria com a Associação de Municípios Portugueses do Vinho.

A organização assegura que “o grande objetivo das 7 Maravilhas à Mesa é promover as regiões e o mundo rural, através da gastronomia e dos vinhos, fomentando o turismo e as experiências no território”.

“Um país tão pequeno, mas tão rico na sua diversidade de pratos de norte a sul do país e ilhas e no desafio da sua harmonização com os vinhos produzidos localmente e a oferta turística adjacente.

As candidaturas podem ser apresentadas por qualquer entidade, pública ou privada (incluindo restaurantes e unidades hoteleiras), desde que respeitem o regulamento em vigor. O Regulamento estará disponível no ‘site’ oficial, na área de candidaturas.

Qualquer pessoa pode votar por IVR (‘interactive voice response’, voto eletrónico ou telefónico), pago com valor acrescentado.

Este voto pago é um voto qualitativo e permite até 7 votações de um mesmo número.

O vencedor das 7 Maravilhas à Mesa deverá ser conhecido em setembro de 2018.

 




Mais notícias
PUB
PUB
PUB