Infografias

Clássico entre 'águias' e 'dragões' não vai fechar as contas do campeonato mas parece esclarecê-lo. Espera-se um Estádio da Luz lotado, com os bilhetes para o ‘Clássico’ esgotados desde quarta-feira.

Na Bolsa de Lisboa o destaque foi a reação das ações da EDP a uma notícia sobre o alegado interesse da francesa Engie em comprar a empresa. Em Wall Street, o impacto da guerra comercial continua a estar em foco, mas foram os dados decepcionantes do emprego nos EUA que levaram o Dow Jones a cair 2% na sexta-feira.

Crescimento económico, défice orçamental e dívida pública: o Governo está mais otimista em relação a três dos principais indicadores. O Programa de Estabilidade, que vai ser entregue no Parlamento sexta-feira, contém várias revisões positivas para o período entre 2018 e 2022. Veja aqui os gráficos.

Portugal é o segundo país da Europa cujos campeões nacionais da primeira liga, entre 2009 e 2017, contavam com um número muito limitado de jogadores da formação. Números revelam diferenças culturais no futebol europeu. Entre clubes campeões nacionais, FC Barcelona é o paradigma: verifica-se a “importância de formar futebolistas de alto nível para alcançar um sucesso sustentável”.

A democracia enfrenta a crise mais grave das últimas décadas. Em 2017, princípios basilares como eleições livres e justas, direitos das minorias, liberdade de imprensa ou Estado de Direito sofreram ataques em todo o mundo. Em 71 países verificaram-se retrocessos nos direitos políticos e liberdades civis. Foi o 12º ano consecutivo de declínio na liberdade global.

Entre 2011 e 2017, Portugal sofreu uma queda vertiginosa do ‘top 3’ dos países com o melhor investimento público.

O bom momento que impera nas bolsas mundiais tem levado a aumentos nos lucros e na remuneração acionista. O índice PSI 20 não é excepção, com a maioria das cotadas a propor aumentos nos dividendos. O quadro não é isento de preocupações, como demonstram os exemplos dos CTT e da Sonae Capital: quedas nos resultados e cortes nos dividendos.

A perspetiva de uma guerra comercial marcou as últimas sessões nos mercados. No entanto, o diluir dos receios permitiu ao Dow Jones registar o terceiro melhor ganho de sempre, na segunda-feira, uma tendência que chegou à Europa.