InícioEspeciaisEspecial OPA à EDP
Especial OPA à EDP

A China Three Gorges tem até 1 de junho para registar OPA sobre a EDP. A informação foi dada pela CMVM no seu site nas perguntas e respostas sobre a OPA à EDP e à EDP Renováveis com o objetivo de esclarecer o mercado e o público em geral.

A China Three Gorges (CTG) confirmou ter sido recebida pelo ministro-adjunto no primeiro trimestre deste ano, mas garantiu que a Oferta Pública de Aquisição (OPA) à EDP “não poderia ter sido” tema de conversa.

EDP pronuncia-se sobre a OPA até ao dia 8 de junho. Com a pressão dos acionistas para que haja um prémio de controlo, a administração vai defender subida da oferta para entre 3,6 e 3,9 euros por ação.

O total de ações detidas pelo Norges Bank voltou a ultrapassar o patamar dos 2%, dias depois de o fundo soberano ter reduzido a participação. Entre uma operação e outro esteve o anúncio da OPA pela China Three Gorges.

Álvaro Nadal explicou que o Governo espanhol está a seguir atentamente o processo, por se tratar de um dos principais operadores no país, que controla a central nuclear de Trillo, nas Asturias.

A agência da notação disse esta quarta-feira que se a OPA chinesa tiver sucesso, a EDP beneficiará de sinergias ao integrar um grupo grande e alargado, e ao ter um acionista maioritário que tem um 'rating' de A1. No entanto, classifica o prémio oferecido pelos chineses como "modesto".

Os analistas referem que o consórcio chinês já lançou a hipótese de combinar alguns dos ativos que detém atualmente com a EDP. Acrescentaram não esperar reações formais do regulador até que haja um acordo.

Ascenso Simões (PS) diz que "faz sentido", Fernando Negrão (PSD) pede às entidades reguladoras que "estejam atentas", Nuno Melo (CDS-PP) diz que é uma questão "de mercado" e não política, Jorge Costa (BE) pede extinção das "rendas garantidas" e Jerónimo de Sousa (PCP) defende renacionalização da EDP.

/
PUB
PUB
PUB